Jornada tripla: conciliação em prol da sua sanidade mental

A tripla jornada: mulher, mãe e profissional - Como conciliar e não enlouquecer

Stael Ferreira Pedrosa

É muito comum, na atualidade, encontrar famílias onde as mães são as principais provedoras. Isso é realmente um desafio imenso para a mulher na atualidade. Ser mãe, dona de casa e trabalhadora exige destas mais do que a maioria pode oferecer.

Sabemos que as famílias “não são mais como eram antigamente”. Aquela família idealizada onde a mãe cuida do lar e das crianças e o marido trabalha para prover para todos tem mudado ao longo dos anos e começa a se extinguir no século XXI. O que se vê, hoje, é uma mãe que trabalha para ajudar nas despesas domésticas ou para prover para os filhos, muitas vezes porque o marido deixou a família, ou por muitos motivos alheios à sua vontade.

Tenham ou não um parceiro, elas têm que correr atrás do sustento, às vezes de seus sonhos profissionais, voltando a estudar para proporcionar uma vida melhor aos seus. Em alguns casos, são empreendedoras com longas jornadas de trabalhos e diversos desafios. Quando chegam em casa, ainda são responsáveis pelas tarefas domésticas e pelo cuidado com os filhos.

Essa realidade se faz ainda mais dura entre as mulheres de baixa renda e classe social sem privilégios.

Além do cansaço físico e mental, têm ainda a cobrança emocional de cuidar de si mesmas, verificar e se cobrar se o cabelo está ressecado, as unhas por fazer e pior, costumam ouvir reclamações de seus maridos que não estão se cuidando, estão engordando, que deviam fazer uma academia etc., o que deixa a autoestima em frangalhos.

Advertisement

Como não enlouquecer na tripla jornada?

Geralmente a mulher dorme pouco, acorda cedo, prepara os filhos para a escola, vai para o trabalho, ao chegar à noite, tem que arrumar a casa, ajudar nas tarefas escolares, cozinhar, preparar tudo para o dia seguinte. Esta é a rotina típica da mulher moderna. Como conciliar tudo isso e ainda manter a sanidade mental? Não é fácil, mas não é impossível.

1 Se você tem um marido, comece por dividir as tarefas

É muito comum eles alegarem que estão cansados quando chegam do trabalho e se estirarem no sofá, enquanto você se divide entre preparar a comida e ajudar seus filhos a fazerem os deveres escolares. Ora, cansada, você também está. Diga-lhe para fazer o jantar enquanto você ajuda as crianças, ou vice-versa.

Se ele se nega a fazê-lo, conscientize-o de que ele tem que sair da zona de conforto e dividir as tarefas. E mais, que isso não é ajuda, é obrigação dele também. A casa e as despesas não são de ambos? Então, os filhos também são e as responsabilidades também. Revezem-se em tudo. Um dia ele cozinha e você lava os pratos, no outro dia ele ajuda as crianças e você cozinha, a cada manhã um arruma as crianças enquanto o outro prepara o café da manhã.

2 Se você não tem um parceiro, não se cobre tanto

Não é fácil fazer tudo sozinha. Portanto, liste as tarefas do dia, faça o que for prioritário e o restante deixe para “quando der”. Não é possível lavar roupa, fazer refeições saudáveis, deixar o chão brilhando e as crianças sempre limpas e organizadas depois de chegar do trabalho – todos os dias, ou após trabalhar o dia todo em home office. Faça o que for possível, lave as roupas num dia, limpe o chão no outro, peça que os filhos mais velhos ajudem tanto no trabalho doméstico quanto nas tarefas escolares dos mais novos. Tenha consciência de que você não é uma supermulher. É assim que você manterá sua saúde mental e seu equilíbrio.

3 Reconheça quando precisa dar um tempo

Você chegou hiper cansada e tudo precisa ser feito. Olhe ao seu redor e veja o que pode ser deixado para outro dia. Descanse, peça uma pizza ou faça um lanche ao invés de cozinhar e deixe a casa bagunçada por um dia. Ninguém vai morrer por isso. Se as crianças estiverem alimentadas, limpas, saudáveis e você descansou, ainda que um pouco, isso é o que importa por hoje.

Advertisement

4 Peça ajuda

Se puder pagar uma diarista, ou alguém para cuidar da casa e das crianças, ou um professor particular para ajudar nas tarefas escolares, não hesite em fazê-lo. Caso não tenha condições, peça ajuda a um familiar ou amigas, seja para as refeições (alguém mais próximo como uma avó ou tias), para as lições, fazer um supermercado, cuidar das crianças por algumas horas para que você tire um cochilo ou vá à manicure, cabeleireiro, enfim, dê um “break”. Você não deve tentar fazer ou ter controle sobre tudo – um dia você pode surtar!

Viva um dia de cada vez e faça o seu melhor, você está indo muito bem.

Toma un momento para compartir ...

Stael Ferreira Pedrosa

Stael Ferreira Pedrosa é escritora free-lancer, tradutora, desenhista e artesã, ama literatura clássica brasileira e filmes de ficção científica. É mãe de dois filhos que ela considera serem a sua vida.