Em minha comunidade religiosa, devo dizer que tenho um filho com dificuldades de aprendizagem?

Emma E. Sánchez

Nós, que praticamos qualquer religião ou crença, gostamos muito de frequentar as reuniões e ouvir aqueles ensinamentos que confortam o nosso espírito. Desfrutamos aqueles momentos de paz, clareza e companheirismo que nos levam à reflexão e introspecção junto com os outros membros de nossa congregação.

Quando nos tornamos pais, preocupamo-nos em levar nossos filhos a esses serviços religiosos, para que eles também possam aprender e desfrutar as mesmas coisas que nós. Porém, às vezes as coisas não são “como uma foto de revista”, onde tudo é perfeito e as famílias ouvem juntas e participam com atenção. As crianças normalmente são inquietas, mexem-se, perguntam, ficam cansadas e até mesmo gostam de fazer barulho e, quer saber? Isso é normal.

Você não deve se preocupar, ter vergonha ou parar de ir à igreja porque seu filho é uma criança inquieta ou com necessidades específicas

Às vezes, as coisas parecem mais delicadas quando nosso filho tem um problema de aprendizado ou de atenção. Podemos nos sentir incomodados ou envergonhados, pois nos momentos que achamos que deveria haver mais silêncio ou durante a melhor parte do discurso, nosso filho grita, faz barulho ou tem uma crise.

Primeiro: acalme-se, isso já aconteceu com todos nós

Segundo: não há nada para se envergonhar ou se preocupar

Todos que já tiveram filhos pequenos sabem que é assim que as crianças são, e todos os pais entendem que estamos todos aprendendo juntos, incluindo nossa congregação!

Aprendemos a ser tolerantes, respeitosos e a estender a mão para ajudar uma mãe, talvez exausta.

Advertisement

Terceiro: uma criança com dificuldade não é motivo para sair da igreja, é uma razão poderosa para continuar frequentando!

Agora, se isso faz você se sentir melhor e mais tranquila, é sempre muito bom conversar com a pessoa indicada sobre seu filho e suas necessidades. Muito possivelmente, sua comunidade já tem alguma experiência em ajudar novas famílias com o cuidado das crianças, professores de escola dominical com algum treinamento ou experiência com crianças que têm dificuldades de aprendizagem, atenção ou deficiência.

Você ficará surpreso com o fato de que até mesmo muitas organizações religiosas têm programas especiais para ajudar as crianças da melhor maneira possível.

Você pode perguntar se há um lugar onde se pode levar brinquedos ou outros materiais, onde a criança possa ficar segura e quieta para que você e outros adultos possam ouvir o sermão ou as aulas com atenção.

Na minha congregação, por exemplo, as mães se revezam todos os domingos para cuidar dos filhos e, assim, enquanto uma assiste, as outras podem aproveitar a reunião. Todos se apoiam e se ajudam, e o que mais gosto é que conseguiram fazer amizades e que o apoio e a ajuda mútua não se limita aos domingos, mas a qualquer apuro que tenham durante a semana.

Conversar com a professora da criança também pode ser de grande ajuda, pois, caso ela não saiba das necessidades do seu filho, suas recomendações e apoio serão de grande ajuda.

Advertisement

E se não houver nada, será motivo e razão para começar a fazer um caminho melhor para os que virão.

Lembre-se: por trás de um desafio sempre há uma bênção quando o aceitamos

Conversar com seu pastor, ministro ou bispo também será de grande ajuda, porque você verá que não está só, nem você nem sua família, mas há outras pessoas de sua fé que estão dispostas a ajudar, apoiar e fortalecê-lo.

E esse apoio é ainda melhor quando você precisa criar seus filhos sem familiares por perto.

Às vezes, famílias com um ou mais filhos inquietos ou com necessidades particulares se isolam porque não querem causar problemas para os outros; e, com isso, privam-se de que tanto eles quanto os filhos desfrutem a convivência com os outros. E sim, às vezes você tem que “lutar com as dificuldades”, mas é assim que todos os seres humanos aprendem a conviver: batalhando uns com os outros. Não desista!

Portanto, não desanime nem perca todas as bênçãos que a convivência e o exercício de nossa fé nos traz

Sempre penso em que podemos ajudar os outros quando fazemos o nosso melhor. Seu exemplo incentivará outras famílias com desafios semelhantes a seguir em frente com fé e esperança, a não desistir de ir à igreja, a visitar outras famílias, participar de atividades ou reuniões e sair fortalecidas.

Advertisement

Você será uma inspiração e uma referência, bem como um exemplo e uma grande ajuda para outras jovens mães quando tiverem que passar por momentos difíceis.

Você provavelmente já ouviu esta frase: “É necessária uma tribo inteira para educar uma criança” e é totalmente verdade. Não prive você, seu filho ou sua congregação de crescerem juntos.

Hoje, mais do que nunca, devemos permanecer unidos.

Traduzido e adaptado por Erika Strassburger, do original En mi comunidad religiosa, ¿debo decir que tengo un hijo con problemas de aprendizaje?

Toma un momento para compartir ...

Emma E. Sánchez

Casada y madre de tres hijas. Interesada en el fortalecimiento y formación de la mujer, la familia y el hogar.