Violência doméstica durante a pandemia: o que você precisa saber

Preste atenção aos sinais, tanto para se proteger quanto para proteger outras mulheres.

Stael Ferreira Pedrosa

A violência doméstica é um tema recorrente e parece ser um mal crônico em todo o mundo. Na sociedade brasileira esses crimes contra as mulheres têm crescido assustadoramente. Saber identificar o começo e os agravantes pode ser o diferencial entre até mesmo a vida e a morte de milhões de mulheres atualmente. E o mais devastador é saber que, com a pandemia, a situação piorou. Entre março e abril de 2020, os casos de feminicídio cresceram 22,2% em comparação ao mesmo período de 2019, em 12 estados do país, segundo a Agência Brasil.

Os Estados que mais apresentam alta são Acre (300%), Maranhão (166,7%) e Mato Grosso (150%). Por que isso acontece não é tão complicado perceber – convivência cotidiana e mais próxima dos agressores, tensão, dificuldade de sair de casa, medo de sair, desemprego, queda na renda – que impede a mulher de sair de casa para fugir do agressor, ou mesmo de denunciar – o que implica também em fazer exames de corpo de delito, entre outros fatores.

Esse é um problema que vem se arrastando por muito tempo e que deve ser motivo de atenção e ações por parte dos governos, da justiça e de grupos de apoio, enfim, de toda a sociedade, pois vem causando a morte de milhões de mulheres em todo o mundo, especialmente no Brasil onde os dados são alarmantes: 1.23 milhão de casos de violência relatados entre 2010 e 2017, sem se levar em conta os não notificados.

A violência dentro do próprio lar

Segundo a lei Maria da Penha, é considerada violência doméstica contra a mulher qualquer ação baseada no gênero que venha a causar sofrimento psicológico, físico, sexual, causando lesão (ataque físico) e morte. Além disso, entram nesse rol de ações violentas o dano moral ou patrimonial.

A lei Maria da Penha só é aplicável nos casos de agressão contra mulheres e meninas. No caso da violência doméstica contra os homens (idosos ou não) e meninos, deve se buscar outros meios legais de acordo com o código penal, como o boletim de ocorrência em delegacias comuns.

Advertisement

O ciclo da violência – como identificar

Ciclo da violência é o nome de um método que ajuda a mulher a identificar se está passando por violência psicológica e ou física. Especialistas dividiram o ciclo em três fases: aumento de tensão, ataque violento e Lua de Mel.

1 Aumento de tensão

De acordo com Fabíola Sucasas, promotora do Ministério Público de São Paulo, nesta fase, que pode durar um tempo variável entre meses e anos, o agressor começa a criar atritos, tais como críticas à esposa em sua aparência ou no trabalho por ela executado, tentativa de controle de seus atos e amizades, roupas e atitudes. Enfim, agride-a psicologicamente.

2 Ataque violento

Com o aumento da tensão, esta pode se tornar agressão física, ataques violentos contra a mulher. O ideal é identificar o comportamento agressivo já nos primeiros sinais, que é quando o homem grita, intimida, ameaça, dá socos em parede ou quebra utensílios domésticos. Nesse ponto ele não tarda em agredir fisicamente a mulher – e é o que ocorre em seguida.

3 Lua de Mel

Esta é a fase em que o homem se mostra arrependido, pede desculpas, promete mudar e que aquele comportamento não mais vai acontecer, que vai parar de beber, que vai buscar uma igreja, conseguir um emprego etc. Na verdade, esta é a maneira de manter o ciclo da violência. Pois logo o marido volta à tensão crescente, até que agride a mulher novamente, volta a pedir desculpas e fazer promessas num ciclo vicioso que geralmente termina em feminicídio.

Faça um teste para saber se você se encontra neste ciclo, aqui.

Advertisement

Como se proteger

Embora o isolamento social seja importante como medida de prevenção ao coronavírus, esse período faz com que mulheres e meninas sejam mais expostas a situações de violência doméstica devido à convivência por mais tempo com o agressor, seja seu companheiro, pai, irmão e até um filho.

De acordo com a delegada Raquel Kobashi, uma das maneiras de se prevenir o problema é ficar em isolamento com outros parentes, no entanto, já estamos há mais de 3 meses cumprindo as medidas de proteção, e à essa altura, a atitude deve ser mais sanadora que preventiva. Caso já tenha acontecido ou se os sinais de possível ataque se mostrem latentes, faça uma denúncia no número 180 – onde seu nome permanece em sigilo e são dadas orientações de como proceder. Caso seja uma emergência ligue para a polícia (190). As vítimas podem ser retiradas de casa para um abrigo ou casa de parentes. Além de outras medidas protetivas.

O X na palma da mão

Nos últimos dias tem circulado na TV uma campanha de denúncia silenciosa de agressão contra a mulher através de um x vermelho na palma da mão mostrado em farmácias de todo o Brasil. Basta entrar e mostrar o x ao atendente da farmácia, este acionará a polícia imediatamente.

No entanto, há duas questões a se considerar. Nem todas as farmácias aderiram à campanha e o fato de o agressor também ter consciência da possibilidade de ser denunciado caso a mulher entre em uma farmácia – o que certamente o agressor não permitirá. Mas, caso seja possível mostrar o x e a farmácia, seja parceira da campanha, isso realmente ajudará muito.

Fique atenta

Preste atenção aos sinais, tanto para se proteger quanto para proteger outras mulheres. Em briga de marido e mulher, se mete a colher, sim! Se perceber os sinais em sua casa, ligue para o 180, se perceber em uma amiga ou vizinha, ligue 190. Vamos proteger umas às outras.

Advertisement

Para saber como denunciar veja este artigo.

Toma un momento para compartir ...

Stael Ferreira Pedrosa

Stael Ferreira Pedrosa é escritora free-lancer, tradutora, desenhista e artesã, ama literatura clássica brasileira e filmes de ficção científica. É mãe de dois filhos que ela considera serem a sua vida.