Segundo estudo, este hábito noturno pode aumentar o risco de câncer de mama

Esse é um hábito bastante comum entre mulheres, homens e até crianças.


Rachel De Castro

Segundo dados da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer, o câncer de mama é o tipo de câncer mais comum e que mais mata mulheres em todo o mundo. Ou seja, 1 a cada 4 tipos de câncer que afetam as mulheres é de mama.

Ele é o segundo tipo de tumor maligno que mais afeta as brasileiras, perdendo apenas do câncer de pele não melanoma. Segundo o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, 14.388 pessoas morreram de câncer de mama no Brasil em 2013.

O hábito perigoso

Uma pesquisa da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, coletou dados entre 1989 a 2013 e descobriu que o hábito de deixar a luz acesa à noite pode elevar o risco de câncer de mama. 110 mil mulheres foram avaliadas e os pesquisadores observaram que participantes que viviam ou trabalhavam em lugares com maior luminosidade noturna eram 14% mais propensas ao câncer de mama em comparação às demais participantes.

“A associação entre luminosidade noturna e câncer de mama só existiu naquelas que eram ou já foram fumantes ou na turma que estava na pré-menopausa”, segundo reportagem.

A hipótese dos pesquisadores é que a luz artificial pode mexer com o “relógio biológico”, alterando o nível e o funcionamento dos hormônios sexuais femininos, o estrogênio e progesterona. Esses hormônios em excesso estão ligados a tumores nas mulheres.

O celular também se inclui como uma luz artificial e já foi comprovado que a luz do celular pode atrapalhar o sono pelo mesmo motivo, por mexer com o relógio biológico.

“Investigações mais aprofundadas são necessárias para que essa associação seja confirmada e, se for o caso, melhor compreendida”, comentou o oncologista Stephen Stefani à Abril.

Advertisement

Cuidados a tomar

O sucesso do tratamento de câncer de mama é maior quando o câncer é descoberto nos estágios iniciais. “De acordo com o Inca, a taxa de sobrevida após 5 anos (porcentagem de pacientes que vivem pelo menos 5 anos após o diagnóstico) é maior quando a doença é detectada em seus estágios (etapa de desenvolvimento) iniciais”, segundo Exame.

As mulheres devem fazer o autoexame e começar a fazer mamografia aos 40 anos anualmente. Segundo pesquisa do Inca, mais de 66% dos casos de câncer de mama são descobertos pelas próprias pacientes ao notarem algo diferente na mama. Por isso que o autoexame é extremamente importante.

Principais sintomas do câncer de mama

  • Nódulo fixo e geralmente indolor na mama, nas axilas ou no pescoço;

  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;

  • Alterações no bico do peito;

  • Saída de líquido anormal das mamas;

  • Inchaço da pele;

  • Dor na mama ou mamilo.

Toma un momento para compartir …

Rachel De Castro

Rachel De Castro é esposa e escritora com formação em ciência política. Acredita que o mundo já tem críticos demais por isso decidiu motivar e inspirar pessoas.