Quando chega a hora de se despedir dos filhos: Síndrome do Ninho Vazio

"Tu os ensinarás a voar, mas eles não alçarão o teu voo". Seus filhos deixam o ninho, mas jamais deixarão o seu coração.

Emma E. Sánchez

Sou mãe de três filhas. A mais velha vai fazer 4 anos de casada, a segunda está planejando o casamento e a terceira está em processo de tramitação de uma bolsa de estudos no exterior. Se tudo correr como o esperado, em dois anos não haverá nenhuma filha em casa. Seus gritos, sua música e toda a bagunça de seus quartos vão acabar.

Quando meu marido e eu conversamos com nossos amigos, costumamos dizer que, finalmente, vamos poder ir com mais frequência ao cinema ou a um restaurante, poderemos andar livres e cuidar de nossos assuntos sem ter que alinhar a agenda de quatro adultos, não teremos que esperar que voltem à noite e, finalmente, vamos poder construir uma pequena academia no espaço que era delas, agora que vão embora.

Todos rimos e fazemos piadas sobre isso, mas, há alguns dias, meu marido disse: “Vou sentir muita falta das meninas”. Vi nele um sinal de tristeza que não conhecia.

É válido sentir tristeza

Com certeza! Durante anos, nossa natureza nos levou a cuidar de um ser, protegê-lo, guiá-lo, suprir suas necessidades e, é claro, desenvolver um relacionamento forte e amoroso com ele. Portanto, sentir tristeza, e até alguma dor, é normal e saudável, mas, com o passar dos dias, todos os membros da família devem se adaptar à nova situação.

É preocupante se a tristeza se prolonga ou se intensifica, e algumas funções, como o apetite, o ciclo do sono, ou hábitos como sair, trabalhar ou se relacionar, sofrerem alterações.

Advertisement

Se algo assim começar a acontecer, é necessário identificá-lo e procurar um especialista em saúde mental.

Eles não serão nossos por toda a vida

A chamada “Síndrome do Ninho Vazio” ocorre quando um ou ambos os pais têm dificuldade em entender, de se desapegar ou sobrepujar a saída dos filhos de casa, seja para se casar, morar fora, estudar ou simplesmente para buscar a independência.

São, geralmente, os pais que não têm outra vida além de criar e cuidar dos filhos que sofrem esse desconforto e dor, sendo mais recorrente nas mães. Quando os filhos se vão, a vida não tem sentido, pois não há mais nada que possa preencher e satisfazer além dos filhos.

Por isso, é bem importante que, assim que os filhos entrem na adolescência, os pais comecem a participar de alguma atividade que lhes permita dar espaço, primeiramente, à criança e também a si mesmos, para que continuem seu progresso pessoal e conjugal.

É complicado, mesmo, pois os filhos são uma parte importante da nossa vida, uma parte linda e valiosa; mas não eles devem representar a totalidade da nossa vida. Nós, assim como eles, continuamos crescendo e nos desenvolvendo, e precisamos  continuar nossos próprios processos, pois logo nos tornaremos avós, sogros e idosos. A história do aprendizado não tem fim.

Advertisement

Solidão é um sentimento, não uma condição

Sentir-se sozinho é muito diferente de estar sozinho. Ambas as situações existem, primeiramente, em nossa mente, para, então, se tornarem realidade. Assim, quando seus filhos partirem, substitua o pensamento de que vai ficar sozinha por “agora vou ter tempo e dinheiro para ir à academia, fazer o curso que eu tanto queria, visitar minha família, sair com meu marido etc.” .

Todos nós sentimos ou desfrutamos a solidão, nós a criamos ou a ignoramos. Existem 7.550 milhões de pessoas no mundo; podemos sair e conhecer algumas delas, ou ficar em casa desfrutando de nosso ambiente, em paz e com tranquilidade. Você decide.

Não há perda, há ganho e crescimento

As razões para a saída de um filho de casa podem ser variadas, e todas podem ser boas para todos e levar ao crescimento, quando:

Nós aceitamos

Seu filho já decidiu ir, a vida o chama e ele deve voar! Todos os pais devem sentir-se felizes e agradecidos por estarem lá, naquele momento, para vê-los decolar e voar em busca da própria liberdade.

Por favor, aceite a vontade de seu filho e faça com que ele saiba de sua confiança e orgulho, seus medos e tristeza, mas, depois, dê a ele toda a confiança necessária para ir e voltar para casa quantas vezes forem necessárias. Aceite e apoie sua decisão.

Advertisement

Acolhemos essa decisão da melhor forma possível

Sorria, aceite e liberte. O dom da liberdade é o presente mais glorioso que o ser humano possui. E nós, pais, devemos concedê-lo com fé e confiança, porque preparamos nosso filhos para partirem. Que o façamos com amor, pois nós os preparamos para voltarem quando quiserem; e com muita esperança, porque sabemos que, com eles, nossos sonhos também se tornarão realidade.

Fazemos o nosso melhor com o que temos

Os filhos se vão e nós ficamos. Procuramos superar a dor e a tristeza, recuperamo-nos e, quando eles nos telefonam, dizemos que estamos bem, que sentimos saudade, mas que estamos muito mais satisfeitos por estarem fazendo o que fazem. Depois, enxugamos as lágrimas e continuamos trabalhando, ajudando amigos e esperando revê-los na primeira oportunidade possível, com um sorriso.

Às vezes, a saída de nossos filhos de casa é dolorosa ou se dá em meio a brigas e discussões. Perdoe, deixe para trás o que há de mal e resgate a sua relação, que é o que há de mais valioso.

Nada de chantagem, nada de culpa

A pior coisa que poderíamos fazer em um momento como esse, é “cortar as asas” de um filho por egoísmo, para evitar a nossa própria dor de vê-los partir ou enfrentar a vida sem nós.

Os filhos devem ir quando for a sua hora, e nós estaremos prontos para quando precisarem de nós ou queiram voltar, mas nunca podemos limitá-los com chantagens ou mentiras, nem fazer com que se sintam culpados por nos deixarem sozinhos. Fazer isso resulta em consequências terríveis.

Advertisement

Novos relacionamentos

Pode ser mais complexo quando se é viúvo(a) ou pai/mãe solteira, e os filhos se vão. Essa, no entanto, é a grande oportunidade de iniciar novas amizades e se abrir para um novo mundo cheio de oportunidades e alegria.

Vida que segue

Ele não vai desistir, fará isso com ou sem o seu consentimento. Por isso, convido você, de todo o coração, a entrar no barco e tomar suas vitaminas. Porque, você sabe, quando seus filhos voltarem para casa, não voltarão sozinhos. Estarão acompanhados de novos amigos, de maridos e esposas, e as joias da sua coroa surgirão na forma de belos netos, que darão à sua vida muito mais significado e direção.

Por favor, acredite! No sofra nem fique abatido por sua partida. Este é apenas o começo de um novo capítulo, muito melhor, da sua vida. Você vai ver.

Traduzido e adaptado por Erika Strassburger, do original Cuando llega el momento de despedirse de los hijos: El síndrome del nido vacío

Toma un momento para compartir ...

Emma E. Sánchez

Casada y madre de tres hijas. Interesada en el fortalecimiento y formación de la mujer, la familia y el hogar.