O que aprendemos com a história de Adão e Eva que deve ser aplicado em nosso casamento

Uma história que aconteceu nos primórdios da humanidade traz lições bem atuais. Veja quais são elas.


Erika Strassburger

Adão e Eva são os personagens mais incompreendidos no mundo religioso. São injustamente acusados de trazerem desolação à humanidade. Poucos compreendem a natureza de suas atitudes e o quanto beneficiaram a humanidade.

Vejamos que lições a história do primeiro casal nos ensina e como aplicar essas lições ao nosso próprio casamento:

1. “Não é bom que o homem esteja só”

Foi o que o Senhor disse sobre Adão, e acrescentou: “far-lhe-ei uma adjutora idônea” (Gênesis 2:18). É uma grande lição a respeito do que o Senhor espera dos homens e mulheres – que constituam famílias.

Podemos tirar outras lições dessa passagem bíblica. Não é bom que o homem se comporte como se estivesse só, tomando decisões sem consultar sua mulher, ignorando sua opinião ou seus sentimentos, flertando com outras mulheres ou tendo outro comportamento de solteiro. O mesmo se aplica às mulheres.

2. A costela de Adão

Lemos que Deus fez a mulher a partir da costela de Adão. Não importa se isso foi uma simbologia ou não, mas temos uma importante lição para aprender com isso. David O. McKay disse: “A mulher foi feita da costela do homem para caminhar ao seu lado, não de sua cabeça para ser superior a ele, nem de seus pés para ser pisada por ele, mas sim do lado para ser igual, debaixo do braço para ser protegida e do lado do coração para ser amada.”

Adão compreendia a santidade da mulher. Ele disse: “Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne.” (Gênesis 2:23).

3. Apegar-se à mulher

“Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” (Gênesis 2:24). Uma pessoa casada deve ter seu cônjuge como companheiro, confidente e melhor amigo. Claro que os pais farão parte da história do casal, mas a mulher ou o marido deve ser a pessoa mais importante na vida de seu cônjuge.

Advertisement

4. Transgressão necessária

Quando Deus colocou o casal no jardim do Éden, ele deu a seguinte advertência: “De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gênesis 2:16-17). “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela.” (Gênesis 3:6).

Eva sabia que teria mais entendimento se comesse o fruto. Então decidiu comê-lo. Por tê-lo feito, ela sabia que seria expulsa do Éden e separada de seu marido. Adão decidiu, portanto, acompanhá-la e também comeu. Como ambos seriam uma só carne se não estivessem mais juntos? Como teriam filhos? Como se aperfeiçoariam se continuassem em estado de inocência no Éden?

Sendo assim, a transgressão foi um passo importante e necessário para o progresso não só do casal, mas de toda a humanidade. Pois não teríamos nascido se Adão e Eva não houvessem comido o fruto.

5. Multiplicar-se e encher a terra

“E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra” (Gênesis 1:27-28). Novamente, como Adão e Eva teriam tido filhos no Jardim do Éden? Seus corpos não eram mortais; como poderiam, então, gerar vida mortal?

Adão e Eva trouxeram a morte e o pecado para a terra após comer o fruto. “(…) todos morrem em Adão”. (1 Coríntios 15:22). Como mortais eles poderiam cumprir a LEI PRINCIPAL, tão necessária para que o Plano de Salvação fosse avante, que é TER FILHOS.

O mandamento dado a Adão e Eva ainda está em vigor hoje em dia. De todo o casal legal e legitimamente casado é esperado que traga, com responsabilidade, filhos ao mundo, cumprindo, assim, o mandamento dado ao primeiro casal.

6. A importância do trabalho

Quando morava no Éden, Adão cultivava um jardim que já tinha sido plantado. “E o SENHOR Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida.” (Gênesis 2:9); “(…) pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar.” (Gênesis 2:15). Adão trabalhava no Éden, mas precisou trabalhar mais arduamente quando foi expulso do jardim. “No suor do teu rosto comerás o teu pão”. (Gênesis 3:19).

O Senhor espera que cada homem trabalhe honestamente para o seu sustento e o de sua família. “Nasce o sol (…) Então sai o homem à sua obra e ao seu trabalho, até à tarde.” (Salmos 104:22-23).

A transgressão de Adão e Eva beneficiou extremamente a humanidade. Graças à atitude corajosa de Eva e de Adão, eles puderam ter filhos. Eles exerceram o direito de escolha que lhes foi dado no Éden “De toda a árvore comerás livremente” (Gên. 2:16). E nós também somos beneficiados com essa liberdade.

Deus sabia de tudo o que aconteceria. Ele enganou Lúcifer, que tentou Eva pensando estar frustrando o Plano de Deus. Mas ele só contribuiu para que tudo acontecesse exatamente como previsto. Deus proporcionou um meio para que o pecado da humanidade fosse perdoado e ela fosse resgatada da morte. “Assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo,” (I Cor. 15:22).

Advertisement

Os ensinamentos extraídos da história de Adão e Eva são aplicáveis em qualquer época. O casamento é, e sempre foi, a mais importante instituição de qualquer sociedade. Continua não sendo bom que o homem esteja só. Como marido ou mulher, precisamos estar cientes de nossas responsabilidades de amar nosso cônjuge, considerá-lo acima de qualquer outra pessoa, de trazer filhos ao mundo e trabalhar para o sustento da família. Adão e Eva cumpriram suas responsabilidades. Precisamos cumprir a nossa.

Toma un momento para compartir …

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.