Entre uma relação platônica e uma real

Importante refletir sobre o que seja amor platônico e real, investigando a satisfação efetiva de um relacionamento amoroso.


Suely Buriasco

Amor platônico é definido no site “Significados” como sendo: “… qualquer tipo de relação afetuosa ou idealizada em que se abstrai o elemento sexual, por vários gêneros diferentes, como em um caso de amizade pura, entre duas pessoas. Amor platônico também pode ser um amor impossível, difícil ou que não é correspondido“. Com a internet e, principalmente, as redes sociais as relações platônicas passaram a ser chamadas também de virtuais. O grande perigo é quando as relações platônicas passam a interferir nas relações reais prejudicando-as.

O ideal refere-se ao pensamento

Muitas pessoas criam um amor idealizado que, por motivos óbvios, não sobrevive ao convívio real. É preciso compreender que o ideal corresponde ao pensamento de cada um e não existe como projetá-lo no outro. Muitos dos conflitos conjugais se originam dessa expectativa de que o outro seja e aja conforme a sua própria vontade; mas as pessoas são diferentes e agem ao seu próprio modo. É assim que um amor platônico ou virtual pode parecer muito mais interessante do que o relacionamento real, até porque não existe o convívio, nem a necessidade de adaptar-se às diferenças de personalidade.

A satisfação no amor platônico

O que é preciso analisar com atenção é o grau de satisfação que se pode alcançar numa relação amorosa que não chega a ser efetivada. A escritora Martha Medeiros pondera sobre o assunto: “Palavras são apenas resumos dos nossos sentimentos profundos, sentimentos que para serem explanados precisam mais do que um sujeito, um verbo e um predicado. Precisam de toque, visão, audição. Amor virtual é legal, mas o teclado ainda não dá conta de certas sutilezas“. Numa relação platônica não existe as dificuldades do convívio; nem, tampouco, a satisfação da presença, do aconchego e da construção de uma vida compartilhada.

O virtual passa a ser realidade

Em época de grande facilidade em desenvolver relacionamentos virtuais, pessoas há que estão recorrendo ao amor platônico na ânsia de satisfazer suas carências em relação ao casamento. Nem sempre a relação paralela mantém-se apenas de forma platônica, mas mesmo que assim continue criará uma situação dúbia nada saudável. Muito embora não sendo real, de alguma forma passa a fazer parte da realidade de quem a vive e, certamente, interferirá em seu comportamento.

O perigo de destruir uma relação real

Relacionamentos virtuais podem ocasionar grandes dissabores nos relacionamentos presenciais, podendo gerar perdas significantes na vida dos que embarcam nesse engano. Entre um relacionamento platônico, por si só limitado, e uma relação efetiva de convívio e comunhão, muita diferença se faz e vale a pena refletir muito sobre o que de fato é relevante. Quando um casamento se desgasta ao ponto dos cônjuges desejarem satisfazer suas carências com outras pessoas, mesmo que de forma platônica, o momento é de decidir se desejam uma relação saudável ou não.

Um relacionamento satisfatório inclui companheirismo, amizade e compreensão das diferenças, afinal é aparando arestas que os cônjuges evoluem. Dessa forma, direcionar as energias em renovar a relação real é medida sábia e inteligente.

Toma un momento para compartir …

Suely Buriasco

Mediadora de Conflitos, educadora com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas, apresentadora do programa Deixa Disso com dicas de relacionamentos. Dois livros publicados: “Uma fênix em Praga” e “Mediando Conflitos no Relacionamento a Dois”.