Como ensinar valores aos filhos

Valores são transmitidos através de exemplos. O mais importante é o SER e não o TER.


Márcia Diniz

Os valores regem a vida das pessoas. Muitas vezes passamos uma vida toda sem conhecer nossos valores e nossa missão de vida.

Exercitar a mente e coração

Para passarmos valores coerentes e positivos a nossos filhos, temos que primeiramente exercitar nossa mente e coração, para descobrir quem realmente somos e que legado queremos deixar a eles.

Consumismo

Hoje em dia facilmente podemos observar algumas discrepâncias de valores. Em geral, as pessoas confundem o ter com o ser. Vivemos em uma sociedade consumista, seguindo o modelo americano. Para fazer parte daquele grupo, daquela sociedade, é preciso acompanhar esta onda de consumo desenfreado. A tecnologia acaba impulsionando essa tendência. O último modelo de celular, iPad, iPad mini, televisão 3D e estes são os exemplos mais simples.

Ter ou ser?

Gosto de tecnologia, quem não gosta? Mas a pergunta que sempre me faço é: Eu realmente estou precisando disso? Qual o benefício deste aparelho que o que tenho não me oferece?

Está claro que os valores se transmitem principalmente através dos exemplos. Não podemos esperar determinadas atitudes dos nossos filhos se não damos o exemplo correspondente.

Exemplos

Eu adoro equipamentos e acessórios esportivos, se tenho que escolher entre uma roupa social e algo relacionado a esporte não tenho nenhuma dúvida qual será minha decisão. O que sempre recomendo a alguém que está se iniciando em algum esporte, é o que coloco em prática. Quando comecei a praticar Mountain Bike, depois de anos no triathlon usando uma bicicleta de estrada, comprei um equipamento bom, que não me deixaria na mão: resistente, leve e com preço acessível; ao invés de comprar a bicicleta mais cara e com mais acessórios. Porque certamente com minha técnica iniciante, não saberia usar todos os recursos que aquele modelo iria me oferecer, mas com o passar do tempo e a com a melhoria da técnica, naturalmente surgiria a necessidade de trocar algumas peças e talvez até comprar uma Bike nova, como aconteceu comigo depois de alguns anos. Esse é um bom exemplo e que utilizo em todas as áreas da minha vida.

Não faz a menor diferença

Quando meu filho me pede algo por que um amiguinho tem, ou simplesmente por que tem a necessidade de mostrar para os outros; mostro quantas coisas que ele tem que não usa, que comprou simplesmente pelo impulso e para dizer que tem. Explico que as nossas necessidades são únicas e não baseadas na dos outros. Nem sempre o que o outro tem, eu preciso, ou mesmo posso comprar. Obviamente que essa possível compra por puro impulso é esquecida em alguns dias, porque simplesmente não faria a menor diferença.

Advertisement

Outro exemplo que adoto é que sempre que compro alguma roupa para mim, abro espaço no armário para aquela peça, doando outra a alguém que precise. Em geral quando você tem alguma roupa no armário que nunca usou por dois anos, certamente não a usará mais, melhor dar para quem esteja precisando.

Respeito mútuo

O mesmo em relação ao respeito mútuo, a forma que você trata as pessoas é como será tratado. Falar com educação, com respeito e em um tom de voz adequado fará com que a recíproca seja igual.

Bater na porta antes de entrar quando esta estiver fechada. As palavras que vivemos ensinando nossos filhos, aquelas que são mágicas e movem montanhas: por favor, obrigada e, se dependo de alguém, eu posso? Quanta diferença fazem quando usadas com delicadeza, carinho e atenção.

Limites

Se em casa os filhos convivem com o respeito, conhecem seus limites, existe uma abertura para perguntarem quando têm dúvidas se tal atitude seria correta, ajudam os outros em tarefas condizentes com a sua idade, é valorizado e dada a devida importância às novas aquisições e percebem o quanto o relacionamento amoroso e confiante traz alegria, certamente estão em um bom caminho em direção a sua missão e seus valores.

Toma un momento para compartir …

Márcia Diniz

Márcia Diniz é Wellness, Professional & Mental Fitness Coach. Proprietária da MD Coaching em São Paulo. Formada pela Sociedade Brasileira de Coaching, membro do The Inner Game School of Coaching e da ICF.