As relações de casal são definidas na infância

Há situações na infância que marcam a nossa vida adulta. Identificar é a chave para curar.

Emma E. Sánchez

Recentemente, tive a oportunidade de dar uma breve oficina sobre relações familiares e estilos de educação, e falamos em algum momento da importância de se chegar a acordos entre os pais para educar os filhos sob as mesmas diretrizes. Alguns participantes começaram a comentar algumas dificuldades que têm para chegar a acordos e, juntos, procuramos opções para alcançar tal objetivo.

Então, uma participante disse a todo pulmão e do fundo do coração: “na minha família não temos esses problemas! Somos mães solteiras sem marido que nos dê problemas”. O silêncio tornou-se total, pois essa mulher explicou que em sua casa há 3 gerações de mães e nenhuma jamais se casou ou manteve uma relação formal com um homem.

Interessante, não é? Três gerações de mulheres que estabeleceram um padrão de vida muito particular. E isso tem uma explicação também particular.

Já viu padrões se repetirem nas famílias?

Já viu padrões de relacionamentos fracassados em pessoas? E em sua vida?

Freud, Erikson, Piaget e muitos outros psicólogos, pedagogos e pesquisadores têm falado há muito tempo sobre como o que vivemos na infância afeta nossa vida adulta.

Advertisement

Freud dizia que todas as nossas problemáticas tinham sua origem na infância e os culpados eram pai e mãe -principalmente esta última – e que “infância era destino”; enquanto Erikson, embora reconhecesse que a infância dá explicação a nossas situações, também reconheceu que, ao entender a origem de nossas problemáticas, temos o poder de transformá-las e fazer o melhor possível com o que temos.

Situações que puderam marcar nossa vida

Falta de amor e cuidado

O amor é o fundamento de uma infância e uma vida feliz. Quem não foi desejado, teve pais distantes, ou simplesmente não foi amado e cuidado como qualquer criança merece, terá repercussões em sua vida adulta, como o não poder amar, confiar ou sentir-se feliz.

Em muitos casos, buscará relacionamentos onde encontre o amor que seu pai ou mãe lhe negaram, trazendo com isto problemas de casal, pois o amor e a relação são diferentes do que se procura.

Aprender a dar afeto, ser carinhoso e dar aos outros o que não se teve pode ser o começo para receber amor. É difícil mudar? Só posso dizer que é muito mais difícil viver assim do que procurar curar-se.

Leia também: Ter uma mãe ausente fere para sempre o coração de um filho

Advertisement

Maus-tratos ou qualquer tipo de violência

Uma criança criada com violência, quando chegar à vida adulta, procurará repetir o que viveu em casa, buscará relacionamentos com pessoas igualmente violentas ou violentadas para poder se sentir “em casa”, pois a isso está acostumado e para isso foi “educado”, a bater ou ser maltratado, a insultar ou receber insultos, a ser tratado e tratar como aprendeu na infância.

Falta de pai ou mãe

Uma esposa não pode tomar o lugar da mãe ausente nem um marido o de um pai desinteressado. Não podemos substituir pessoas nem tomar o lugar de quem não pôde ou não quis fazê-lo.

Confundir estas relações só trará mais problemas. Por isso é tão importante analisar como são e como têm sido nossas relações para tomar consciência e fazer as mudanças necessárias.

Conta a biografia de Erick Erikson, um destacado pesquisador do desenvolvimento humano, que ele começou seus estudos e pesquisas buscando curar sua própria relação com o pai que não o reconheceu e o abandonou. Mais tarde, quando sua noiva estava grávida, ele pensou em não casar com ela e abandoná-la, pois, temia não estar preparado para enfrentar a responsabilidade e que sua família a aceitasse. Então, percebeu que estava repetindo o mesmo que fizeram a ele. Por isso, tornou-se corajoso, casou-se, formou uma família e, até à sua morte, reconheceu que sem a sua mulher, que se tornou sua parceira de investigação, nunca teria conseguido nada.

Abuso

Este é um dano que impacta muito profundamente a alma e a mente de uma criança, mas que é possível superar com ajuda. Atualmente, existem muitos apoios e instituições para tratar-se diante de uma situação assim. Buscar ajuda é fundamental.

Advertisement

Constante necessidade de proximidade com uma pessoa

Você se sente mal quando não está perto de alguém que lhe é especial? Você precisa constantemente saber onde seus entes queridos estão? Você não pode controlar o medo de perdê-los? Isso pode ser um sinal de uma necessidade infantil não atendida.

Medo ou insegurança quanto ao futuro

Se, ao pensar no futuro, você vê tudo escuro, sem esperança, e sofre por isso, podem estar em você muitos temores que, desde criança, ficaram gravados em sua mente e que é preciso tirá-los. O abandono pode ser a sua origem.

Sentimento de inferioridade ou de não estar à altura de outra pessoa

Talvez, na tua infância, tenha experimentado demasiadas desqualificações ou comparações cruéis que hoje o impedem de reconhecer seu próprio valor e potencial, o que o impediu de progredir na vida e realizar todos os seus sonhos e metas. Talvez esses sentimentos também tenham impedido você de ter um parceiro e formar uma família. Já se sentiu assim muitas vezes?

Sentimento de culpa

Este é outro sentimento que se enraizou em seus esquemas mentais quando era pequeno. Algumas pessoas, sem lembrar, foram acusadas e culpadas quando nem sequer tinham consciência de ter vindo a este mundo, seja pelo pai que os abandonou, pelas frustrações da mãe quanto ao que deixou e não conseguiu por causa do bebê que chegou, porque foi menina, porque não foi menino e mil coisas mais! E, então, a criança aprendeu a viver como culpada e merecedora de nada – exceto desprezo.

E assim continuará sua vida de adulto se não fizer nada para se livrar de culpas impostas por outro.

Advertisement

Aceitar abuso de qualquer tipo para não perder um relacionamento

Essa parte está muito ligada à falta de amor ou aceitação por parte dos pais. É muito comum um adulto ser capaz de suportar tudo, até abuso, desde que não seja abandonado ou deixado.

Tudo é preferível a estar sozinho e desprezado.

Ansiedade constante

A mais simples e fácil manifestação de problemáticas não resolvidas no passado, mas que hoje se pode transformar a seu favor.

Identifique-as e as aceite-as

Se você identificar uma ou algumas dessas situações em sua vida, é hora de terminar e começar a viver de verdade. O primeiro passo é aceitar, assim começa o caminho de descida.

Consulte um profissional da saúde mental, um conselheiro espiritual ou fale com sua família; com seu apoio, você poderá reconhecer em seu passado o que tenha acontecido, entender e processar, então poderá curar e seguir adiante com maior esperança para o seu futuro e o de sua família.

Advertisement

Desejo-lhe muita coragem para começar essa grande jornada de vida.

Traduzido e adaptado por Stael Pedrosa do original Las relaciones de pareja se definen en la infancia

Toma un momento para compartir ...

Emma E. Sánchez

Casada y madre de tres hijas. Interesada en el fortalecimiento y formación de la mujer, la familia y el hogar.