A verdade nua e crua sobre comer batatas fritas

Até você batatinha? Parece que nem as batatinhas fritas se salvaram para quem quer uma dieta saudável.


Caroline Canazart

Não está fácil nem para a porção de batatas fritas. Uma das comidas prediletas dos brasileiros, e a mais famosa de restaurantes e fast-foods por todo o mundo não é a mais saudável para comer. Claro que já dava para imaginar que algo frito com uma quantidade considerável de óleo não seria bom para o corpo.

Mas a fritura é só o começo da história

Um dos principais inimigos da batatinha frita é a acrilamida, uma substância que se forma quando o alimento é colocado em altas temperaturas. Ela é cancerígena, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

De acordo com o órgão, ratos desenvolveram câncer depois de terem a acrilamida administrada em seu organismo. No ser humano nada foi provado, porém, é regra que substâncias que causam câncer em animais serem potencialmente perigosas para humanos. Dessa forma, o primeiro alerta já está aceso.

Como a acrilamida se forma?

A substância foi observada em alimentos ricos em amido, como as batatas. Quando ela entra em contato com o óleo quente, com temperatura acima de 120 graus, há um aumento significativo de quantidade. Porém, a 100 graus, a formação da acrilamida é bem menor.

Acredite, temperaturas muito baixas também não ajudam em nada. De acordo com a Anvisa, abaixo de 10 graus há uma formação maior de açúcares redutores na batata. E essa substância que, quando quente, associada a asparagina (aminoácido) produz a acrilamida. Conclusão: não guarde batatas na geladeira.

O que fazer para comer uma batata mais segura?

Ela não deve ser assada ou frita por muito tempo e também não deve ficar escura. Outro medida é mergulhar as batatas em vinagre por um tempo para reduzir a acrilamida no alimento. Utilizar óleo de oliva aqui também não é recomendado.

Segundo estudos, a acrilamida foi observada em maior quantidade quando a batata foi frita com esse óleo. Nessa situação, o óleo de milho é mais seguro.

Advertisement

E aquela batatinha do meu restaurante favorito?

As notícias não são boas. Se a batata feita em casa já tem todo esse problema, imagina as dos fast-food? Além da acrilamida tem todos os outros conservantes que deixam o alimento ainda mais rico em substâncias ruins para o corpo.

Que isso sirva de alerta para as batatas fritas das redes fast-food e também para aquelas batatas prontas e congeladas que compramos, ou comprávamos, no mercado. Muito prática, mas nada saudável.

Gorduras saturadas, gorduras trans e sódio em excesso

Tudo isso também tem nas batatinhas pré-prontas. Muita gordura saturada engorda e pode provocar problemas no coração, nas artérias e aumentar o colesterol ruim. Aumenta a pressão arterial e é muito boa também para provocar diabetes.

A gordura trans está em muitos produtos industrializados e também se faz presente na batatinha nossa de cada dia. É a vilã da saúde, pois aumenta o colesterol ruim e abaixa o colesterol bom, além de poder causar câncer e problemas cardiovasculares.

O sal é outro mal das batatas fritas congeladas. Ele é um dos conservantes e claro que está presente em grande quantidade. O excesso dele pode provocar aneurisma, insuficiência renal e cardíaca, aumento de pressão arterial, retenção de líquidos, aumenta o risco de infarto, acidente vascular cerebral (AVC), doenças neurológicas e problemas respiratórios.

Agora a escolha é sua, continuar ou não comendo as deliciosas e crocantes batatinhas fritas.

Leia também: 25 ideias de lanches saudáveis para crianças e adultos

Toma un momento para compartir …

Caroline Canazart

Caroline é uma jornalista catarinense que optou por ser mãe em tempo integral depois do nascimento dos filhos. Ama escrever e ainda acredita que pode mudar o mundo com isso.