5 cuidados importantes para evitar que a cabeça do bebê se deforme

Para evitar que seu pequeno fique com a cabecinha torta, estes cuidados são ESSENCIAIS!


Erika Strassburger

Os bebês nascem com o crânio macio e flexível para poderem passar pelo canal de parto na hora de nascer. O crânio vai se fechando ao longo dos primeiros meses de vida e está completamente fechado até o 15º mês. Nesse ínterim, ele pode desenvolver alguma deformação ou assimetria pela maneira como é posicionado para dormir, mamar ou sentar. Essa assimetria é chamada de Plagiocefalia Posicional.

Veja alguns cuidados que você precisa ter para que o crânio do seu pequeno não fique assimétrico:

1. Deite-o em posições diferentes ao longo do dia

É fundamental cuidar para que ele não deite sempre na mesma posição. Estudos recentes apontam que a melhor posição para os bebês dormirem, pelo menos à noite, para evitar a morte súbita, é de barriga para cima. Mas se quiser, você pode virá-lo de lado ou de bruços durante o dia, quando ele estiver ao alcance de seus olhos. Isso não apenas ajudará para que sua cabeça não entorte como fortalecerá os músculos do seu pescoço.

2. Mude a posição dos objetos que chamam a sua atenção

O olhar dos bebês é atraído por objetos coloridos e iluminados, com abajures, móbiles e brinquedos. Portanto, é importante mudá-los de lugar com frequência para que seu pequeno possa movimentar a cabeça para todos os lados, conforme se esforça para olhá-los. Mude esses objetos não apenas de um lado para outro do berço, mas de baixo para cima (aos pés, no meio ou na cabeceira do berço).

3. Atenção para a cadeirinha

O apoio para a cabeça na cadeirinha costuma ser mais duro. E isso contribui para que sua cabecinha torne-se assimétrica. Por isso, use a cadeirinha, nos seus primeiros seis meses de vida, apenas quando tiver que transportá-lo no carro.

Advertisement

4. Na hora de pegá-lo no colo e de amamentar

Diversifique a posição do bebê também no colo. Coloque-o sentadinho de costas para você, com as costas e a cabeça apoiadas no seu peito, ou de frente para você com o rostinho voltado para o seu ombro, em vez de apenas deitado, com a cabeça apoiada em seu braço.

Cuide também para não dar de mamar sempre nas mesmas posições. Você pode, por exemplo, deitá-lo de bruços sobre sua barriga e amamentá-lo com a cabeça levemente inclinada, posição conhecida como “Laid-Back” (imagem abaixo), em vez de sempre deitá-lo de um lado ou do outro do braço.

Posição de amamentação "Laid-Back"

A post shared by Informativos Fofos Engracados (@informativos_fofos_engracados) on

5. Cuide a moleira

Cuide para o bebê não bater a cabeça, ou para outra criança não esbarrar na cabecinha dele, pois uma pancada pode fazer a moleira inchar e, se acontecer na época em que aquela parte da moleira esteja fechando, entre outras consequências, pode causar deformidade no seu crânio.

Maneira simples de identificar assimetria craniana em seu bebê

Deite o bebê de barriga para cima e observe-o do topo da cabeça. Veja se seu crânio, bochechas e orelhas estão iguais de ambos os lados. É a melhor posição para identificar qualquer assimetria (como na figura abaixo).

Como corrigir um crânio assimétrico

Segundo matéria publicada no site da Revista Cláudia, se a assimetria for verificada precocemente é possível corrigi-la – entre os 3 e 14 meses de vida – com o uso de uma órtese craniana, também conhecida como capacetinho.

Veja o “antes e depois” do crânio desse bebê que passou pelo tratamento

Segundo este site especializado, os sintomas da Plagiocefalia Posicional que não podem ser tratados são “desalinhamento visual, achatamento nítido na cabeça, problemas com o fechamento na mandíbula (…).” Mas os pais podem ficar tranquilos, pois ela não causa qualquer deficiência.

Para mais dicas de saúde e bem-estar para seu bebê

Toma un momento para compartir …

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.