5 coisas que você precisa saber sobre unhas postiças ou unhas de gel

Nem toda mulher tem a sorte de ter unhas grandes e bonitas, uma alternativa eficaz são as unhas postiças.

Stael Ferreira Pedrosa

Unhas e mulheres sempre tiveram uma relação de amor e ódio. Afinal, toda mulher quer ter unhas bonitas e quando isso não acontece, ela sofre e busca meios alternativos de conseguir. Nada de errado. Mas, será que as unhas postiças atendem mesmo o desejo das mulheres? E são saudáveis?

Fazendo uma pesquisa pela internet, descobri muitas coisas interessantes na relação entre as mulheres e suas unhas. Afinal, as unhas dizem muito sobre uma mulher. Podemos saber tudo pela cor de suas unhas, até se ela tem autoestima, segundo alguns “assessores para assuntos aleatórios”.

Também me dei conta de que as mulheres estão alongando suas unhas com qualquer coisa, desde sal até garrafa pet, passando por farinha de trigo, amido de milho e até papel higiênico. É uma criatividade sem fim. E realmente funcionam. O problema é a utilização de cola instantânea não apropriada que pode vir a causar danos às unhas. O certo é usar a cola apropriada para unhas postiças.

Se você deseja lançar mão desse artifício aqui estão 5 coisas que você precisa saber sobre as unhas postiças.

1. Unhas postiças não são nenhuma novidade

Essa relação mulheres/unhas é mais velha do que se pensa, pesquisas sugerem que por volta de 3.200 a.C, ou seja, mais de 5 mil anos atrás as chinesas já pintavam suas unhas com extratos de pétalas de flores, e as egípcias com henna. No entanto, só se começou a usar as unhas postiças bem mais tarde. As primeiras datam do século XIV. A realeza da Dinastia Ming (China) usava uma extensão nas unhas para mostrar que não precisava fazer trabalhos manuais. Na Grécia do século XIX as mulheres usavam conchas de pistache como unhas postiças. Fred Slack, que era dentista patenteou a primeira unha postiça feita de acrílico odontológico em 1957.

Advertisement

2. Existem em vários tipos

Acrigel – são as unhas em gel, próprias para quem tende a apresentar alergia. Este tipo preserva a unha natural.

Unhas de porcelana – para mulheres que desejam unhas compridas com maior durabilidade.

Unhas de acrílico – para quem deseja unhas mais naturais, e evitar o surgimento de fungos.

Unhas Nova York – para quem não quer gastar muito nem prejudicar a base das unhas.

Unhas de Fibra de Vidro – antialérgicas e resistentes, próprias para mulheres que trabalham com as mãos.

Advertisement

3. Podem ter “efeitos colaterais”

De acordo com o dermatologista Francisco Le Voci, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, é importante observar a aparência das unhas (pois revelam problemas de saúde) e tomar cuidado com modismos, como as unhas postiças ou de gel. “A preocupação com esses produtos especificamente são os efeitos colaterais: fraqueza, falta de brilho, descamação e ocultação de doenças. Muitas pessoas dizem que eles ajudam a fortalecer as unhas, mas isso é uma mentira.”

Além disso, as unhas são muito lixadas em alguns processos, o que torna a unha original fina e porosa favorecendo o surgimento de fungos por baixo das postiças, caso sejam utilizadas por muito tempo.

4. Ajudam a eliminar o hábito de roer as unhas

É uma estratégia onde se cria uma barreira que dificulte alcançar a unha original, dificultando roer a unha. No entanto, há que ser ter cuidado conforme o dermatologista explica no item 3, o uso excessivo pode causar fraqueza, descamação e ocultar problemas de saúde.

5. O uso pode doer

É isso mesmo. Para colocar não há dor, mas para usar sim, pode doer. Há que se ter cuidado para não as bater contra outras superfícies que podem arrancá-las. Além disso, digitar, seja no computador ou no celular pode ser doloroso. Retirá-las também pode doer se não for feito como nos salões: imergindo as unhas em removedor (acetona).

Toma un momento para compartir ...

Stael Ferreira Pedrosa

Stael Ferreira Pedrosa é escritora free-lancer, tradutora, desenhista e artesã, ama literatura clássica brasileira e filmes de ficção científica. É mãe de dois filhos que ela considera serem a sua vida.