Parar de fumar, é agora ou nunca!

O cigarro é uma das maiores fraquezas da humanidade, mas se lutarmos juntos contra esse mal que rouba a vida das pessoas que amamos, ele pode ser derrotado.


Roberta Preto

“A gente não se liberta de um hábito atirando-o pela janela: é preciso fazê-lo descer a escada, degrau por degrau.” Mark Twain

Sabemos que diante de tantos problemas a serem solucionados em nossas vidas, nos sentimos vazios ou estressados demais e tentamos buscar algo que nos proporcione fuga ou que nos revigore para darmos continuidade às coisas que são de nossa responsabilidade. E, lá está ele… o cigarro, que aquieta e sossega a mente. E, não importa a embalagem com a foto de mais uma de suas muitas vítimas, porque é só ele que o dependente deseja. Ele provoca uma dependência que chega tão rápido ao cérebro, piores que as malditas cocaína e heroína, mas para o dependente, isso não é incômodo. Infelizmente, é do ser humano desejar viver na zona de conforto e só buscar mudanças quando a situação o compelir a fazê-lo.

Leia:

Os antigos usavam um velho termo sobre o mal que aparenta ser bom, mas que permanece mal. Eles também alertavam sobre as pessoas terem cuidado, principalmente com o “amigo da onça” – aquele que se faz de seu amigo, mas só deseja o seu mal. O cigarro pode ser considerado o “amigo da onça.”

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 6 milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro. Muitos fumantes acreditam que o cigarro é o seu “melhor amigo”, que pode acamá-los quando estão nervosos, basta fumar que a paz retorna. Também acreditam que o cigarro desperta o sono e lhes permite trabalhar fora de hora. E muitas outras coisas milagrosas que os fumantes acreditam que o cigarro lhes proporcionam… E como se enganam e se destroem!

O cigarro possui, além da nicotina, o CO (monóxido de carbono) que se mistura com a hemoglobina do sangue que reduzem toda a oxigenação do corpo, por isso que surgem as famosas dores de cabeça quando lhes faltam o “amigo da onça.” O CO nada mais é que um gás tóxico, considerado poluente, usado na queima de combustíveis. Já faz mal aspirar a fumaça preta que os veículos soltam, imagina ingerir. E o mal não acaba aí, ainda resta “o poderoso” é o mais assustador de todos, conhecido como: alcatrão. Ele é o veículo que traz os produtos cancerígenos para o corpo dos fumantes, como o polônio, chumbo e arsênio. Os cânceres diagnosticados na boca, laringe ou estômago, sempre têm uma ligação com o alcatrão.

Uma das duras verdades é saber que o seu “melhor amigo”, que na verdade é o seu “pior inimigo”, tirou a vida das pessoas que você muito amou e pode vir a tirar a sua se você não abandoná-lo.

Advertisement

Leia: Livre-se do vício do cigarro, antes que ele acabe com você

Hoje há muitos grupos de ajuda, há profissionais especializados, pessoas que já sofreram desse mal e que já foram vítimas do “amigo da onça,” todas elas podem lhe ajudar e principalmente sua família, se você escolher abandonar esse falso amigo. Você não precisa dele! Você não o ama! Apenas está obcecado por algo que lhe mata aos pouco todos os dias e você até percebe, na sua própria respiração, nas fortes dores de cabeça, mas ainda assim sua dependência e obsessão lhe fazem esquecer seu amor-próprio.

O melhor motivo para abandonar o vício é escolher se amar novamente. Há pessoas que lhe amam e precisam de você na vida delas. O cigarro pode ter feito você escravo dele, mas a chave para sua libertação está nas suas próprias mãos. Escolha viver!

Se tiver que acreditar em milagres, acredite em Deus, porque Ele pode lhe dar forças para vencer esse mal. Ele irá lhe enviar o socorro necessário para o libertar, pois sua alegria e libertação é tudo o que Deus mais deseja para você.

Leia também: Dicas para conseguir parar de fumar

Toma un momento para compartir …

Roberta Preto

Roberta Preto, 33. Formada como tradutora e intérprete, escritora, mãe. Apaixonada pela vida, em uma eterna busca por conhecimento. Espero que minhas palavras possam ser uma luz na vida das pessoas. Sonho em ajudar a humanidade a tornar-se livre da escravidão da ignorância.