Minha melhor amiga vai se casar. E eu?

O casamento de uma amiga pode provocar emoções negativas que prejudicam a amizade. Conheça a história de Luana e saiba como não deixar que isso aconteça.


Suely Buriasco

Este é o relato de uma jovem mulher, de cerca de trinta anos, que se vê em um conflito que muito a tem feito sofrer:

“Crescemos juntas e sempre fomos parceiras em tudo, conforme passava o tempo, a amizade se ampliava e sempre estivemos juntas, tantos nos momentos alegres e comemorativos, como nos tristes; uma sempre servindo de apoio para outra. Com os namorados não era diferente; éramos confidentes e grandes cúmplices. Até o dia que ela radiante disse que ia se casar. Desde então estou muito confusa: eu queria comemorar com ela, participar com alegria dos preparativos e festejar a alegria dela; nunca fui uma pessoa invejosa, quero muito a felicidade dela, mas não consigo. Sinto-me abatida; muito triste! O pior é que ela percebeu e sei que se magoou. Eu serei sua madrinha, mas tudo o que quero é sumir”.

As emoções

Sofremos sempre que não gostamos do que sentimos e fazemos. Claro que Luana, como vou chamar a moça do relato, não queria se sentir triste diante da felicidade da amiga e isso a deixa confusa. O forte sentimento de culpa que se instala também é relevante para o mal-estar que está vivendo com os preparativos do casamento de sua amiga. Mas o fato é que isso não é nada incomum e a Luana não é, necessariamente, uma pessoa invejosa ou mau caráter por experimentar essas emoções, embora esteja tendo uma atitude egoísta.

Vale analisar melhor a questão no artigo Egoísmo, livre-se disso!

As razões

Poderíamos apontar algumas razões para o torvelinho emocional que envolve a Luana:

1. Sentimento de perda

Natural que surja a sensação de perda, afinal casamento é muito diferente de namoro e a Luana sabe que a amiga terá que assumir muitas responsabilidades. O lar, o marido e as novas funções fatalmente ocuparão muito a amiga, restringindo o tempo que ficarão juntas. Também justifica esse sentimento a sensação de que termina uma fase importante da vida das duas.

2. Insegurança

Durante muitos anos Luana teve o apoio da amiga e o medo da solidão pode ser intenso agora. Como agir, sair e viver a vida de solteira sem a parceira de sempre? Luana não tem dúvidas de que o casamento da amiga provocará grande transformação em sua própria vida e isso a deixa insegura.

Advertisement

3. Forte abalo emocional

Dividir a atenção da amiga já é difícil, mas sentir-se rejeitada é um sentimento de dor que provoca grande abalo emocional. Isso, comumente, gera ciúmes do relacionamento da amiga.

Então, o que fazer

1. Faça uma autoanálise

Penso que o primeiro passo da Luana para superar essa situação deva ser analisar o que realmente a tem abalado, assim ela se sentirá mais segura para enfrentar e superar essa situação.

7 passos para melhorar a autoestima

2. Encare a realidade

Para que se encher de medo e preocupações? Um dia isso aconteceria e vocês teriam que dividir a amizade com outras pessoas, nesse caso com o marido da sua amiga. Enxergar ele como aliado facilita o enfrentamento de sua dificuldade e ainda fortalece a amizade.

3. Faça novos planos

Mudanças são sempre positivas quando nos inspiram a crescer como pessoa. Aproveite esse momento para pensar em planos novos, situações inusitadas, coisas que você gostaria de fazer e viver. Direcione suas ações para a própria vida e permita se sentir feliz com a sua amiga fazendo o mesmo.

Se você vive uma situação como a de Luana aceite as mudanças que a vida lhe propõe e verá que essas emoções darão lugar a genuína alegria de compartilhar esses momentos únicos que sua amiga está vivendo. Isso fará você se sentir muito feliz e motivada, além do que provará que a amizade de vocês continua forte e sincera.

10 características de amizades verdadeiras e duradouras

Toma un momento para compartir …

Suely Buriasco

Mediadora de Conflitos, educadora com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas, apresentadora do programa Deixa Disso com dicas de relacionamentos. Dois livros publicados: “Uma fênix em Praga” e “Mediando Conflitos no Relacionamento a Dois”.