Meu filho tem vergonha de mim. O que faço?

Se você tem ouvido críticas constantes de seu filho, ou ele se esconde dos amigos quando você está por perto, ou ele não convida os amigos para a sua casa; este artigo é para você.


Erika Strassburger

<p>Mariana (o nome foi alterado) nunca convida suas amigas para irem à sua casa. Ela tem vergonha da situação humilde em que vive, já que suas amigas vivem em casas maiores e mais bonitas. Ela também se envergonha da gritaria dentro da sua casa. O pai dela bebe, e às vezes bebe muito. Ela morre de medo de que algum amigo veja seu pai bêbado, o que já aconteceu antes. Ela morre de medo que seu pai faça outro escândalo na frente de casa.</p>

<p>Assim como Mariana, há muitas crianças e jovens que se envergonham de sua condição financeira e familiar, de coisas que os pais fazem. Elas estão erradas por se envergonharem dessas coisas? De que maneira seus pais podem ajudá-las?</p>

<p>Primeiramente, é importante avaliar o motivo de sua vergonha: é um motivo justo ou injusto?</p>

Abaixo estão alguns motivos, em minha opinião, justos e injustos para uma criança sentir-se envergonhada:

Motivos injustos

  • Condição financeira

  • Aparência

  • Profissão

    Advertisement
  • Religiosidade

  • Nível de escolaridade

<p>Leia: Como ajudar seu filho a não ser arrogante

Motivos justos

  • Vícios

  • Linguajar chulo

  • Casa suja ou desorganizada

  • Falta de higiene pessoal

  • Violência

  • Brigas e gritarias

  • Ociosidade

    Advertisement
  • Desonestidade

<p>Se um pai ou mãe, cujo filho envergonha-se dele(a), deseja realmente entender e ajudar seu filho, ele(a) precisa fazer uma autoavaliação sincera. Precisa ser imparcial nessa avaliação. As perguntas a seguir, que devem fazer a si mesmos, podem ajudar:</p>

  • Há algo que preciso mudar no meu comportamento?

  • Como as demais pessoas me enxergam?

  • Será que eu estaria envergonhado(a) se estivesse no lugar de meu filho?

<p>Se o filho se envergonha dos pais por motivos injustos, cabe aos pais ajudá-lo a reconhecer seu erro de julgamento e preconceito. Veja alguns exemplos do que pode ser dito a ele:</p>

  • Infelizmente, eu precisei começar a trabalhar muito cedo, por isso não pude continuar estudando. Mas você pode fazer tudo diferente! Estou aqui para lhe apoiar.

  • Assim como estamos passando por um momento difícil hoje, poderemos estar em condições melhores amanhã. Tudo depende de quanto empenho colocamos em tudo o que fazemos. Vamos vencer juntos!

  • Meu trabalho é honesto, é dele que vêm o alimento que você come, as roupas que usa. Você não tem motivo para se envergonhar.

<p>Leia: Como ensinar os filhos a julgar sabiamente

Agora, se depois de uma autoavaliação sincera, você percebeu que realmente precisa melhorar suas atitudes – pois elas, de fato, estão causando medo e/ou embaraço em seu filho – você pode começar conversando com ele. Diga-lhe que esteve revendo seu próprio comportamento e compreende como ele se sente. Diga que você deseja melhorar e vai se esforçar para isso. Peça o apoio e cooperação do seu filho. Ele ficará muito feliz e animado por saber que as coisas irão melhorar.

Muitos pais pensam que jamais deveriam pedir desculpas aos filhos, pois se o fizessem, poderiam perder a autoridade ou o respeito deles. Esta é uma visão completamente equivocada! Todo mundo erra, independente da idade. E todos têm a chance de consertar seus erros, não importa a idade. Nunca se é velho demais para mudar para melhor.

Um progenitor que demonstra humildade e disposição para se aperfeiçoar, irá despertar em seus filhos admiração e respeito. E quando mantem abertos os canais de comunicação no lar, dificilmente haverá sentimentos de vergonha seja de um lado ou de outro.

Leia também: Use estes 26 truques para realmente se comunicar com seus filhos

Toma un momento para compartir …

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.