Mãe indignada manda e-mail para escola da sua filha avisando que ela não irá mais fazer lição de casa

Ela explicou o motivo e MUITAS mães concordaram. Você faria o mesmo?


Stael Ferreira Pedrosa

Repping Batman as always. ☺️

Posted by Bunmi Laditan on Tuesday, December 20, 2016

Bunmi Laditan postou o printscreen de um e-mail que ela enviou aos professores de sua filha onde ela dizia que ela estava inconformada com a demanda exagerada de tarefa escolar a que sua filha estava sendo submetida, Bunmi Laditan, mãe de Maya de 10 anos, resolveu após consultar um terapeuta para a filha, escrever um e-mail endereçado aos seus professores.

No e-mail fica visível o descontentamento desta mãe com o excesso de tarefas escolares que estava causando ansiedade em sua filha e tirando seu tempo de ser criança, de brincar com seus irmãos e estar apenas descontraída em casa com a família.

My kid is done with homework. I just sent an email to her school letting her know she's all done. I said "drastically…

Posted by Bunmi Laditan on Tuesday, April 25, 2017

“Olá, professores da Maya,

Maya reduzirá drasticamente a quantidade de lição de casa neste ano. Ela está muito estressada e começa a apresentar sintomas físicos como dor no peito e acorda às 4:00 preocupada com a sua carga de trabalho escolar.

Ela não está atrasada academicamente e gosta muito da escola. Nós consultamos um terapeuta e ele sugeriu que sua carga de trabalho escolar fosse diminuída. Gastar de 2-3 horas com lição de casa após chegar às 16:30 está deixando pouco tempo para ela ser apenas uma criança e aproveitar o tempo com a família e nós gostaríamos de evitar que ela venha a se afundar em uma depressão nesse período.

Advertisement

Obrigada pela compreensão.

Calorosamente, Bunmi

Na legenda da imagem ela explicou sua decisão:

“Como fazer a lição de casa até 18:30, em seguida jantar, e ter apenas uma hora para relaxar (ou para terminar a lição de casa) antes de dormir faz qualquer sentido?” Ela perguntou. “Não é importante ter tempo para a família? Despender tempo sendo apenas uma criança relaxando em casa não é importante? Ou ela deve tornar-se uma espécie de mini viciada em trabalho aos 10 anos de idade?”

O e-mail viralizou principalmente por ela ter dito que “embora tenha escrito reduzir drasticamente as lições, na verdade estava apenas sendo educada”, pois para ela acabaram-se as lições de casa. Sua filha não faria mais nenhuma. “Acabou!”, finalizou Bunmi.

As intenções da mãe ficaram claras no e-mail, sua filha estava sofrendo de ansiedade e poderia vir a ter depressão. Ela, não quer que sua filha seja fracassada na vida e reconhece a importância da educação e do sucesso na vida de uma pessoa, no entanto, para essa mãe, isso não é uma obsessão. Ela diz:

“Todos queremos que nossas crianças cresçam e tenham sucesso no mundo. Acredito na educação, mas não creio que nem por um instante que a escola deva consumir a vida de uma criança. Eu não me importo se minha filha vai um dia para Harvard ou não.”

Bunmi não compartilhou a resposta da escola, no entanto, ela deixou claro no post que estava nervosa sobre a decisão da escola.

“Eu só quero que ela seja inteligente, bem-ajustada, que seja inspirada, tenha caridade, espiritualidade e equilíbrio em sua vida”, acrescentou. “Eu quero que ela seja mentalmente e emocionalmente saudável. Que ela saiba que o trabalho não é toda a sua vida, é parte da sua vida. O trabalho não irá completá-la e nem manter seu coração aquecido -. Família, amigos, comunidade, servir aos outros e ser uma boa pessoa é que fará isso.”

Ela concluiu seu post dizendo simplesmente que sua filha precisa ser uma criança.

Bunmi comentou mais tarde que não culpa os professores, mas sim ao sistema que os obriga a agirem assim, segundo entrevista para Fox 8 News.

Advertisement

O post recebeu mais de 55.000 likes, e muitos comentários positivos tanto de pais quando psicólogos e psicopedagogos que torcem para que a escola e Maya cheguem a um consenso onde ninguém perca nada.

Toma un momento para compartir …

Stael Ferreira Pedrosa

Stael Ferreira Pedrosa é escritora free-lancer, tradutora, desenhista e artesã, ama literatura clássica brasileira e filmes de ficção científica. É mãe de dois filhos que ela considera serem a sua vida.