Fé e ação = Felicidade genuína

Veja como a fé e as obras estão diretamente relacionadas e como são fundamentais para alcançar a felicidade genuína.

Erika Strassburger

Um dos trechos bíblicos que mais gosto se encontra no capítulo 2 de Tiago, especialmente do versiculo 14 em diante. Tiago arrazoa sobre a ligação fundamental entre fé e obras. Ele diz:

Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo?

E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano,

E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?

Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma.

Advertisement

Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.

Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.

Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.”

Tiago 2:14-18; 24; 26

No dicionário

Advertisement

on-line, a primeira definição de obra é esta: “O que resulta do trabalho ou da ação”.

A verdadeira fé está diretamente relacionada à ação. É uma fé prática. Sem essa fé prática não há felicidade verdadeira, pois de que adianta crermos que algo seja bom se não o seguimos ou praticamos?

Alguém poderia querer rebater a visão de Tiago com um trecho da carta de Paulo escrito aos efésios:

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.

Não vem das obras, para que ninguém se glorie;”

Advertisement

Efésios 2:8-9

Há contradição entre os dois autores? Não, não há. O que Paulo está querendo dizer é que mesmo que uma pessoa tivesse as maiores obras (boas ações) possíveis, sem fé ela não seria salva. E só seremos merecedores da graça divina, por meio da fé prática.

Entenda o conceito de Graça:

“O poder de Deus que possibilita aos homens e mulheres alcançarem bênçãos nesta vida e a vida eterna e exaltação após haverem exercido fé, após se haverem arrependido e feito tudo ao seu alcance para guardar os mandamentos. Tal auxílio ou fortalecimento divino é concedido pela misericórdia e amor de Deus.”

A fé prática (fé + ação) é essencial para a felicidade genuína. A verdadeira felicidade ou alegria provém de um viver digno, de obedecer aos mandamentos de Deus. O propósito da vida mortal é justamente este, que todos tenham alegria.

Advertisement

Para aqueles que nada ou pouco fizeram até agora para demonstrar a sua fé, saibam que Deus está aguardando que um primeiro passo seja dado. Ele os ama e quer mostrar-lhes Seu amor. Como um Pai legítimo, Ele está disposto a perdoar seus pecados, caso:

  • Reconheçam seus erros.

  • Sintam-se mal por terem errado.

  • Busquem corrigir seus erros da melhor forma possível.

  • Comprometam-se a mudar de vida, a rejeitar o mal.

    Advertisement
  • E passem a guardar Seus mandamentos.

Esses são os passos do arrependimento sincero. Sem arrependimento sincero não há felicidade genuína. E a fé prática é essencial para conseguir o arrependimento. Precisamos exercer fé no poder curador de Cristo e agira fim de obter o perdão para nossos pecados.

Exercer fé no Senhor e seguir Seus mandamentos são atitudes fundamentais para alcançar a felicidade genuína. Mas alguém poderia dizer: “Sou tão diferente de fulano e de cicrano, como posso seguir os mesmos padrões de comportamento? E minha personalidade, cultura, a forma como fui criado – não contam?”

Eu diria a essa pessoa o mesmo que foi dito por Henry B. Eyring:

O Pai Celestial fez cada um de nós inigualável. Não há dois de nós que tenham exatamente as mesmas experiências de vida. (…) Mas um amoroso Pai Celestial estabeleceu o mesmo caminho da felicidade para todos os Seus filhos. Sejam quais forem nossas características ou experiências pessoais, há um único plano de felicidade. Esse plano é seguir todos os mandamentos de Deus.”

Advertisement

Essa visão pode ser complementada pelas palavras de George Q. Cannon:

Não há nenhum de nós por quem Deus não exerceu Seu amor. Não há nenhum de nós por quem Ele não Se tenha preocupado e expressado Seu carinho. Não há nenhum de nós que Ele não tenha desejado salvar, e para quem não tenha planejado meios para salvar. Não há nenhum de nós a quem Ele não tenha encarregado Seus anjos de cuidar. Podemos ser insignificantes e desprezíveis a nossos próprios olhos, e à vista de outros, mas a verdade é que somos filhos de Deus, e que Ele realmente nos enviou Seus anjos — seres invisíveis de força e poder — encarregando-os de cuidar de nós, zelar por nós e guardar-nos.

Nenhum amor é tão grande quanto o que nosso Pai Celestial e Seu Filho, Jesus Cristo, sentem por nós. Eles querem que sejamos felizes nesta jornada mortal. Eles querem nos abençoar. Por isso, foram estabelecidas leis para cumprirmos. E somente através da fé prática estaremos dispostos a obedecer essas leis. Se o fizermos, teremos como recompensa a felicidade que tanto almejamos, principalmente no mundo vindouro.

Toma un momento para compartir ...

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.