Estes 4 sintomas indicam que você tem hemorroidas, mas talvez não saiba

Conheça 4 sintomas menos conhecidos – além do sangramento e das veias que saem – e aprenda mais sobre essa doença que afetará, em pouco tempo, metade da população mundial.


Erika Strassburger

As hemorroidas são veias inflamadas e dilatadas que podem ficar tanto em torno do ânus quanto no reto. A dilatação dessas veias acontece devido à pressão que sofrem, seja por fezes endurecidas ou ressecadas; pelo peso do feto durante a gravidez ou pelo excesso de gordura abdominal. Além desses, outros fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença são o sedentarismo, uma dieta pobre em fibras e a herança genética.

As hemorroidas são classificadas de duas maneiras:

Quanto à sua localização (externas e internas)

  • As externas parecem varizes ou bolinhas de sangue e podem ser vistas ao redor do ânus.

  • As internas situam-se acima do esfíncter anal (são as que causam sintomas mais agudos). Quando se exteriorizam (saem do orifício anal), são chamadas prolapso hemorroidário.

Quanto ao seu grau

Segundo este site especializado, o processo de exteriorização é lento e gradual, e pode ser classificado da seguinte forma:

  • Grau 1 – fase inicial da doença, hemorroidas internas (sem prolapso).

  • Grau 2 – as hemorroidas saem quando a pessoa faz força para defecar, mas acabam retornando sozinhas ao canal anal.

    Advertisement
  • Grau 3 – as hemorroidas saem quando a pessoa faz força, mas não retornam mais sozinhas, precisam ser empurradas para dentro do canal.

  • Grau 4 – as hemorroidas estão sempre para fora, já não reduzem mais, nem com ajuda.

Sintomas

Os sintomas mais perceptíveis para o paciente são:

  • O inchaço das veias externas ou a protuberância das veias internas para fora do ânus.

  • O sangramento, que acontece quando uma veia se rompe.

Mas há outros sintomas não tão óbvios que você possivelmente desconhece:

1. Coceira – oriunda das terminações nervosas que estão pressionadas pelo inchaço

2. Dor – principalmente durante a evacuação

3. Ardência – especialmente depois de evacuar

4. Caroço duro ao redor do ânus – que ocorre quando as hemorroidas estão trombosadas

Tratamento

Segundo o especialista Fernando Valério, o médico prescreverá o tratamento de acordo com a gravidade da doença (grau e localização). Em alguns casos, são prescritos medicamentos para reduzir o inchaço e aliviar a dor (pomadas, supositórios e analgésicos); em outros, tratamento ambulatorial, como ligadura elástica, cleroterapia, crioterapia, coagulação infravermelha e laser. Quando os tratamentos clínicos e ambulatoriais não surtem efeito e, principalmente, se as hemorroidas podem evoluir para trombose hemorroidária, um tratamento cirúrgico poderá ser indicado.

Neste vídeo, o cirurgião do aparelho digestivo, Sidney Klajner, explica em que situações são indicadas as cirurgias e menciona algumas técnicas comuns.

Mudanças na dieta – como evitar alimentos que causam constipação e passar a ingerir mais líquido e fibras; e nos hábitos de vida – como dormir melhor e introduzir atividades físicas, podem melhorar bastante as hemorroidas graus 1 e 2.

Atenção! Nem tudo o que parece, é!

O médico, professor e chefe do grupo de cirurgia colorretal no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, Desidério Kiss, deixou o seguinte alerta em entrevista ao doutor Dráuzio Varella:

Advertisement

“Vale lembrar que existe a tendência perigosa de rotular como hemorroidas as centenas de patologias que podem ocorrer na região anal, o que pode levar a consequências catastróficas. Classificar como problema hemorroidário qualquer saliência, verruga ou bolinha de sangue que apareçam no ânus pode deixar sem diagnóstico e tratamento um tumor maligno, por exemplo”.

Portanto, antes de ir à farmácia comprar um medicamento para hemorroida, faça uma consulta com um especialista para se certificar de que é exatamente esse o seu caso. É importante ter certeza de que não há uma doença mais grave por trás desses sintomas.

Toma un momento para compartir …

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.