Compromisso: Um dos pilares essenciais de um casamento feliz

Casamento significa escolher um ao outro - e não apenas no dia do noivado ou no dia em que você diz sim, mas todos os dias para o resto de suas vidas.


Rob Jenkins

Nota do Editor: Este artigo foi publicado originalmente no Gwinnett Daily Post, e reproduzido aqui com permissão.

Meu pai costumava dizer que existem dois tipos de pessoas casadas: aquelas que estão comprometidas, e aquelas que provavelmente devem estar.

Ele estava brincando, é claro. “Compromisso” é uma espécie de definição de casamento – ou pelo menos costumava ser, antes de as pessoas começaram a ver seus votos matrimoniais da mesma forma como os treinadores de futebol veem os seus contratos.

Recentemente ouvi um advogado da vara de família dizer no rádio que talvez “ninguém vai a um casamento achando que vai acabar.” Mas um monte de gente entra em um casamento pensando que poderia acabar se “as coisas não derem certo.”

E é aí que reside o problema: Se você começa com a suposição de que o casamento não é permanente, é muito provável que ele não se torne.

Por que tantas pessoas começam com essa suposição? Porque elas olham em volta e veem que é assim. Metade das pessoas que elas conhecem é divorciada – incluindo, em muitos casos, os próprios pais. Então, qual é o problema?

Vou deixar você decidir se este é um assunto importante. Mas vamos supor que você ache que é, já que está lendo esta coluna. Se você realmente quer ter um casamento longo e feliz, você deve colocar para fora de sua mente a ideia de que você pode terminá-lo a qualquer momento.

Advertisement

Você não pode. Isso é o que “compromisso” significa.

Um bom amigo meu foi perguntado uma vez por sua esposa a pergunta imortal: “Por que você me ama?” Ele respondeu: “Porque eu escolhi lhe amar.”

No início, ela não estava exatamente feliz com essa resposta. Ela queria que ele dissesse algo mais romântico, como o quão linda e maravilhosa ela é. Mas, eventualmente, ela concluiu que ele estava absolutamente certo. O casamento é, em última análise, uma questão de escolha, de escolher um ao outro – e não apenas no dia em que ficam noivos ou no dia em que dizem o sim, mas todos os dias para o resto de suas vidas.

Mesmo que em alguns dias você não sinta isso. Especialmente nos dias em que você não sentir isso.

Note que eu usei a palavra “amor” na história acima sobre o compromisso. Isso porque, quando se trata de casamento, amor e compromisso é essencialmente a mesma coisa.

O clássico erro que os jovens (e às vezes as pessoas mais velhas também) cometem ao se casar é presumir que os sentimentos de afeição forte e o desejo sexual que eles têm um pelo outro naquele dia – em outras palavras, o que normalmente chamamos de “amor” – permanecerão inalterados ao longo de suas vidas.

Pessoas que estão casadas há muito tempo, porém, sabem que esses sentimentos tendem a ter um fluxo e refluxo eventuais e se tornam uma base fraca para um casamento duradouro. Elas também entendem que é mais provável que se continue a sentir essas emoções ao longo dos anos de casamento, se continuarem a escolher um ao outro, mesmo nos dias em que não se sentem tão propensos a fazê-lo.

Em outras palavras, a maioria das pessoas acredita que o compromisso segue o amor. Mas um dos segredos para um casamento longo e feliz é entender que, na realidade, o verdadeiro amor segue o compromisso eterno.

_Traduzido e adaptado por Stael Pedrosa Metzger do original

._

Advertisement
Toma un momento para compartir …

Rob Jenkins

Rob Jenkins is a newspaper columnist, a happily-married father of four, and the author of "Family Man: The Art of Surviving Domestic Tranquility," available on Amazon.