6 maneiras infalíveis para segurá-lo em casa

Como evitar que seu marido saia de casa após aquela terrível discussão? Aprenda maneiras infalíveis de comportamento que a ajudarão a manter seu marido em casa.


Cibele Carvalho

Normalmente, quando os casais se encontram em situações delicadas de constantes brigas e desentendimentos, as reações das mulheres costumam ser as mesmas: chorar muito e ficar confusa; e a reação dos homens normalmente é: ficar agressivo e sair de casa.

Mas como nós mulheres podemos evitar que nossos maridos saiam de casa? Como podemos conseguir reduzir uma confusão que parece impossível?

Nós podemos, temos essa capacidade e poder de convencimento sim. Confira dicas de especialistas para lhe ajudar a evitar que seu marido saia de casa:

1. Seu primeiro e mais importante álibi é o silêncio

Ainda que esteja explodindo por dentro diante de palavras ofensivas que podem estar saindo da boca do seu esposo totalmente sem pensar, apenas o mesmo está usando de suas defesas psicológicas para tentar evitar ficar prejudicado, pois no fundo ele sabe as consequências de uma separação.

Evite retrucar tudo que ouve, pense em silêncio sobre as razões sinceras que podem ter levado seu marido a ficar tão nervoso, mantenha a calma e guarde seus ressentimentos para quando os ânimos estiverem mais calmos.

2. Olhe para seus filhos com afeto

Você sabe que se seu marido sair de casa, seus filhos ficarão confusos com os acontecimentos e prejudicados também, então após não ter retrucado, ou se até já retrucou, pare agora mesmo enquanto ainda há tempo essa discussão e olhe atentamente com todo afeto e amor imenso que sente em seu coração por seus filhos.

Pense neles, acalme-se por eles nesse momento, não permita que se criem memórias tristes e dolorosas para sempre em suas memórias de uma mãe descontrolada e um pai agressivo, pare essa briga agora mesmo!

Advertisement

Leia: 6 coisas feias que os pais dizem um ao outro na frente dos filhos

3. Vá para algum refúgio dentro do seu lar

Encontre um ambiente que a faça se sentir melhor, seu quarto, seu guarda-roupa, sua biblioteca, sua lavanderia, algum canto da casa que tenha um espaço onde você possa ficar um pouco sozinha e tentar respirar melhor com mais tranquilidade e refletir um pouco.

Sou mãe, sei que com crianças isso é quase impossível, mas sugiro que os coloque em seu colo no ambiente que escolher e abrace-os e fique ali pensando o tempo que achar necessário.

4. Tome um banho refrescante

A água literalmente esfria o corpo e a mente, e é exatamente disso que você está precisando agora, esfriar-se, acalmar seu coração mesmo que esteja em chamas dolorosas. Sua mente agitada não irá produzir pensamentos lógicos e sensatos, mas somente pensamentos e ações das quais irá se arrepender depois.

5. Escreva uma carta para si mesma

Você precisa desabafar, certo? Precisa que alguém lhe escute ou que lhe diga algo, lhe dê conselhos.

No entanto, acredite que a melhor conselheira nessa situação é você mesma, afinal é sua vida, seus problemas, sua dor, só você se conhece tão bem, ou pelo menos deveria.

Essa é a sua chance de conhecer-se melhor, desabafe em uma carta, comece um diário pessoal, descrevendo suas dores, aflições e se achar bom mostre a seu esposo em um momento adequado.

6. Ore pedindo forças e sabedoria

Além de você, pode confiar naquele ser mais poderoso do que todos nós juntos, apegue-se a sua fé e crenças, ore a Deus suplicando por sabedoria divina, peça que a ajude a acalmar-se e a saber usar as palavras certas, no momento certo.

Querida amiga, você consegue eu acredito em seu potencial, Deus acredita em você, ele deseja lhe ajudar a salvar seu casamento e seus filhos; confie em si mesma e em Deus, acalme seu coração, esfrie sua alma, deleite-se nas escrituras, busque conhecer-se, salve a si mesma também.

Leia: Uma oração para quando seu coração estiver partido

Advertisement
Toma un momento para compartir …

Cibele Carvalho

Bacharel em Direito, Mediadora e Conciliadora de Família, realiza palestras para noivos e recém-casados sobre relacionamentos, especialista em Psicologia Jurídica, esposa, mãe e genealogista.