5 dicas para praticar esportes em família

Exercitar-se, trazer novos atributos aos seus filhos, unir a família, dentre esses são inúmeros os benefícios que a prática de esportes pode trazer.


Cibele Carvalho

Praticar esportes é extremamente necessário para o bem-estar físico de qualquer ser humano, mas, tornar essa prática algo divertido, prazeroso e até quem sabe uma tradição de família para passar para próximas gerações é uma tarefa que requer muita perseverança, mas certamente pode ser possível. Acompanhe como:

Você pode reunir sua família em uma noite após o jantar e juntos ler essas dicas e benefícios que trazem os esportes para todos, assim estarão dando o primeiro passo para uma vida familiar mais saudável, divertida e unida!

De acordo com pesquisadores da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, fazer qualquer tipo de prática esportiva com a família reunida pode trazer benefícios que qualquer pai e mãe deseja que seus filhos alcancem, entre eles:

Autoconfiança

ou seja, uma atitude positiva relacionada ao seu próprio desemprenho, isso porque incentivado e ouvido pelos pais as suas necessidades.

Disciplina

obediência às regras e a superiores, todos precisam muito desse atributo na vida, e quanto antes o desenvolvermos melhor será.

Concentração

atenção e objetivo, foco em algum resultado.

Mas, de que maneira podemos aplicar essa mudança de vida em nossa família?

Advertisement

Siga as orientações abaixo que trazem passo a passo para começar:

1. A escolha

Segundo a psicóloga e terapeuta familiar, Silami Garcia, a influência dos pais no futuro esportivo dos filhos é muito grande, contudo, é importantíssimo permitir que os filhos possam escolher e definir seus próprios gostos esportivos.

Uma roda com conversas sobre o assunto, colocando todos os prós e contras, e analisando em equipe (família) qual dentre várias opções de esportes pode-se escolher é o ideal, assim todos terão vontade ativa de estar nos encontros esportivos, afinal foram definidos e decididos com todos concordando.

2. Definindo o comportamento de todos

Seja essa regra tanto para os filhos, como também para os pais, o comportamento perante outras pessoas que podem estar envolvidas nessa atividade pode significar o sucesso ou o fracasso completo da iniciativa.

Segundo o professor e pesquisador Alan Smith, “os pais precisam ter consciência dos limites de suas responsabilidades, pais educam e treinadores ensinam o jogo.”

Portanto, ficar gritando e efetuando ofensas são atitudes totalmente negativas para todos os envolvidos (pais, filhos e treinadores).

3. Quais são nossas expectativas com isso?

“Excesso de expectativas é o caminho mais curto para a frustração” (Martha Medeiros).

Todos devem ter expectativas em relação aos objetivos que podem ser alcançados através do esporte em família, ou apenas reunidos prestigiando seus filhos, porém, depositar forças e desejar que seu filho se torne um Pelé da noite para o dia não será agradável.

4. Como está nossa saúde?

Para ingressar em esportes, sejam eles os mais simples previstos, é sempre necessário uma constatação da atual saúde de cada um dos envolvidos no grupo de esporte.

Consultem seus médicos de confiança e peçam exames se necessário, especialmente se tratando de crianças com início em alguma pratica esportiva, ou adultos com históricos de doenças, todo cuidado é pouco.

Advertisement

5. Programação e motivação

Designar tarefas entre os filhos, para que se lembrem do cronograma de esportes, e também criar formas de motivar a família é uma forma de garantir que essa prática esportiva não ficará em apenas um mês ou dois.

Motivação para todos é uma das chaves essenciais do sucesso esportivo para qualquer atleta, seja ele apenas um aventureiro ou atletas de carreira.

Alinhe com sua família após verificar essas circunstâncias, quando e onde começar, e vão à luta, pernas e pés aos campos do esporte!

Toma un momento para compartir …

Cibele Carvalho

Bacharel em Direito, Mediadora e Conciliadora de Família, realiza palestras para noivos e recém-casados sobre relacionamentos, especialista em Psicologia Jurídica, esposa, mãe e genealogista.