3 jogos e desafios populares entre adolescentes que podem ser fatais

Atenção pais e mães! Assegurem-se de que seus filhos não estejam envolvidos nesse tipo de prática. Algumas delas podem levar à morte!


Erika Strassburger

A adolescência é a fase da descoberta, da autoafirmação. Os jovens necessitam provar que já cresceram e são suficientemente capazes de fazer muitas coisas sozinhos. Em virtude disso, muitos deles não somente se mostram bastante abertos a novas experiências, mas querem ousar, arriscar-se.

Para o desespero dos pais, essa tendência de optar por “manobras arriscadas” pode custar caro. Em alguns casos pode custar a própria vida.

Leia: Dicas para se aproximar dos filhos adolescentes

Vejam, a seguir, 3 jogos ou desafios que estão fazendo sucesso na internet e os sérios riscos que seus filhos correrão se toparem tais desafios:

1. Jogo do desmaio

Esse jogo está longe de ser inocente. Funciona da seguinte maneira: o jovem prende a respiração enquanto um amigo vem por trás dele e pressiona fortemente seu peito, ou pressiona-o contra a parede. A apneia impede momentaneamente a oxigenação do cérebro provocando um desmaio.

O doutor Antonio Carlos Turner, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, alerta: “Mesmo em pessoas jovens, não oxigenar qualquer parte do tecido do cérebro pode comprometer as funções dos órgãos, provocar sequelas neurológicas ou mesmo levar à morte.”

Possíveis consequências:

Advertisement
  • Problemas de atenção e de memória.

  • Fratura óssea.

  • Hematomas e traumatismo craniano causados por uma possível queda.

  • Convulsões e crises epiléticas, no caso de falta oxigenação no cérebro por muito tempo.

  • Parada cardiorrespiratória grave.

  • Lesões cerebrais.

  • Coma.

  • Morte.

2. Desafio da canela

Consiste em colocar uma colherada de canela em pó na boca e tentar engolir. Parece fácil? Não é, não! Além de ser perigosíssimo!

Vários vídeos de jovens que toparam o desafio têm sido postados no Youtube, o que acaba sendo um incentivo para que mais e mais jovens adiram à prática. Stephen Pont, membro da Academia Americana de Pediatria, alertou os pais sobre práticas como esta. Ele disse que os pais precisam estar cientes desse e de outros desafios e passem a prestar mais atenção ao que seus filhos andam vendo online.

Advertisement

Possíveis consequências:

  • Queimação das vias aéreas.

  • Pneumonia por aspiração.

  • Lesões pulmonares graves.

  • Obstrução das vias respiratórias e morte por asfixia.

3. Desafio dos 500 ml de cerveja

Funciona da seguinte forma: uma pessoa faz um vídeo bebendo meio litro de cerveja de uma só vez e o posta nas redes sociais, desafiando outros três amigos a fazerem o mesmo nas 24 horas seguintes. Quem não cumprir o desafio terá de pagar uma caixa de cerveja àquele que o desafiou.

O médico Vitor Buaiz, do Centro de Estudos e Pesquisa Sobre Álcool e outras Drogas, da Universidade do Espírito Santo, alerta: “Pode haver quadro de embriaguez aguda, gastrite e até mesmo coma alcoólico. A resistência ao álcool varia de pessoa para pessoa, mas não recomendamos a ninguém fazer isso”.

Possíveis consequências:

  • Risco de dependência, pois provavelmente a pessoa não irá parar nos 500 ml.

  • Pancreatite aguda.

  • Descolamento da mucosa do esôfago.

  • Destruição das células hepáticas.

  • Acidentes de trânsito.

  • Cirrose hepática.

  • Coma alcoólico.

Leia: Guia de sobrevivência para pais de adolescentes

Agora que conheceram ou aprenderam mais sobre essas 3 práticas, cabe a vocês, pais e mães, instruírem seus filhos a JAMAIS aceitarem esses ou quaisquer outros desafios que coloquem sua saúde em risco. Leiam este artigo com eles e vocês se sentirão tranquilos por terem feito a sua parte.

Leia: 6 soluções para pais motivarem um filho adolescente

Toma un momento para compartir …

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.