Mulher com útero transplantado dá à luz bebê saudável nos Estados Unidos

Mulher com útero transplantado dá à luz bebê saudável nos Estados Unidos.

Stael Ferreira Pedrosa

Uma novidade da ciência traz esperanças às mulheres que nasceram sem útero, perderam o órgão por patologias ou apresentam complicações uterinas ao engravidar.

Nasceu neste mês nos Estados Unidos o primeiro bebê saudável de mãe que recebeu implante de útero. Este foi o primeiro a nascer em solo norte-americano. O primeiro caso no mundo se deu na Suécia, em 2014.

Em outubro de 2016, quatro mulheres americanas receberam transplante de útero de doadoras vivas no centro médico da Universidade Baylor, nos EUA. Três dos transplantes não deram certo e precisaram ser removidos.

Após seis meses de transplante, a paciente bem-sucedida pôde engravidar a partir da fertilização in vitro, já que seus ovários não estão conectados ao novo útero. O resultado surgiu esse mês de dezembro no dia 04, quatorze meses após o transplante foi confirmado o nascimento do primeiro bebê saudável, fruto do procedimento em Dallas, Texas, por Craig Civale, porta-voz do hospital Baylor.

Os dados do bebê e da mãe foram mantidos em sigilo a pedido desta. Apenas se sabe que ela recebeu o útero de uma enfermeira de 36 anos.

Advertisement

A mãe transplantada poderá ter duas gestações e novamente terá o útero retirado devido aos fortes medicamentos para evitar a rejeição de transplantes, já que este não é um órgão do qual dependa a sobrevida da paciente.

O procedimento

Tudo começou na Suécia, quando nasceu a primeira criança de útero transplantado, em 2014. Apesar de prematura e com baixo peso, a criança nasceu saudável. De lá para cá alguns países fizeram suas tentativas, como Estados Unidos, Arábia Saudita e Turquia – inclusive o Brasil, onde o primeiro transplante de útero foi feito em São Paulo, em outubro de 2016, no Hospital das Clínicas e foi bem-sucedido. A paciente recebeu um útero de pessoa falecida.

Quem pode fazer

No Brasil, o transplante de útero ainda tem indicação restrita: somente mulheres que nasceram sem útero, com boas condições clínicas e embriões adequados para serem implantados podem tentar o procedimento que é de alto custo, já que o útero não é um órgão vital como o coração ou fígado.

No Brasil ainda não houve transplante de doadora viva e o período de observação antes de engravidar é de um ano.

Toma un momento para compartir ...

Stael Ferreira Pedrosa

Stael Ferreira Pedrosa é escritora free-lancer, tradutora, desenhista e artesã, ama literatura clássica brasileira e filmes de ficção científica. É mãe de dois filhos que ela considera serem a sua vida.