Estudos comprovam: Casar antes de engravidar é uma das soluções contra o divórcio

Segundo um estudo inédito feito na Inglaterra, os casais que têm filhos antes do casamento estão mais propensos a se separarem.

Stael Ferreira Pedrosa

Atualmente é muito comum, principalmente no ocidente, as pessoas viverem juntas antes de se casar. Segundo um estudo feito na Inglaterra, os casais que se casam antes de ter filhos têm 70% menos chances de chegarem ao divórcio do que aqueles que os têm antes do casamento.

A pesquisa dividiu a amostragem em três grupos:

  • Os que se casaram antes de ter filhos

  • Os que se casaram após o nascimento dos filhos

  • Os que viveram juntos sem se casar

    Advertisement

Os resultados foram:

As mulheres que permaneceram com seus parceiros quando os filhos chegaram à adolescência foram:

  • Aproximadamente 76% das mulheres do primeiro grupo (casadas antes de ter filhos)

  • Aproximadamente 44% das mulheres do segundo grupo (casadas após o nascimento do(s) filhos)

  • Aproximadamente 31% das mulheres do terceiro grupo (vivem juntos sem casar)

    Advertisement

E o mais surpreendente é que no primeiro e no segundo grupo (das pessoas casadas) a incidência de divórcios entre as que se casaram após o nascimento dos filhos é de 56% contra 24% das que se casaram antes de ter o primeiro filho.

Os resultados acabam com o mito de que a relação estável é tão forte quanto o casamento.

A pesquisa traz também outros dados interessantes:

  • Idade e escolaridade são fatores que não afetaram significativamente as probabilidades das mulheres se separarem. O fator chave foi se elas se casaram ou não antes de terem filhos.

  • Os casais que têm filhos sem se casar estão três vezes mais propensos a separar-se em um período de 15 anos e nunca se casar.

    Advertisement
  • Poucos (menos de um terço) dos casais que não se casam vão permanecer juntos na educação dos filhos.

A conclusão da pesquisa é de que:

Os casais que se casam antes de ter um filho têm a melhor chance de permanecer fora das estatísticas de divórcio.

Quais seriam as causas?

Segundo alguns estudiosos, as mudanças trazidas ao casal após o nascimento dos filhos exigem comprometimento mútuo para vencerem os desafios.

Especialistas das universidades de Denver e do Texas fizeram um estudo onde mostram que entre 218 casais estudados, 90% (196 casais) se mostraram insatisfeitos com o casamento após a chegada do primeiro filho.

Advertisement

50 coisas que você deve saber antes de ter um bebê

A mesma pesquisa confirma o que a pesquisa britânica sugere: casais que moravam juntos antes do casamento tiveram mais problemas no casamento após o nascimento do primeiro filho do que aqueles que só passaram a viver juntos após o casamento.

A psicóloga Andréa Soutto Mayor, doutora em psicologia experimental pela Universidade de São Paulo (USP), conclui que “Muitos casais não suportam o grande teste da chegada do primeiro filho. O tempo dedicado ao outro é reduzido drasticamente e muitos maridos não conseguem lidar com o fato… Além disso, claro, há a diminuição da frequência sexual.”

Ideia essa confirmada pelas terapeutas Betty Carter e Monica McGoldrick que em seu livro citam J.O. Bradt: “não existe nenhum estágio que provoque mudança mais profunda ou que signifique desafio maior para a família nuclear e ampliada do que a adição de uma criança ao sistema familiar.”

Voltando à pesquisa das Universidades de Denver e Colorado, um dos autores Scott Stanley, ressalta que: _”a pesquisa não conclui que crianças tragam infelicidade para a vida das pessoas.”_ Porém, foi constatado que a chegada do primeiro filho traz estresse e insatisfação no casamento, não pela criança em si, mas pelas mudanças que essa chegada ocasiona. Sem um compromisso forte como o que o casamento traz, a tendência é a dissolução da união.

Advertisement
Toma un momento para compartir ...

Stael Ferreira Pedrosa

Stael Ferreira Pedrosa é escritora free-lancer, tradutora, desenhista e artesã, ama literatura clássica brasileira e filmes de ficção científica. É mãe de dois filhos que ela considera serem a sua vida.