16 coisas que os infiéis precisam entender sobre a felicidade

Ou os infiéis gostam de sofrer, de levar uma vida miserável; ou estão muito mal informados sobre o que é felicidade e onde encontrá-la.

Erika Strassburger

Os infiéis, em sua maioria, estão muito mal informados sobre o que é felicidade e onde encontrá-la. Abaixo estão 16 verdades que eles precisam assimilar se quiserem ser felizes:

  1. “Iniquidade nunca foi felicidade”. É impossível ser feliz enganando, traindo, humilhando.

  2. A tendência a trair tem como raízes a insegurança e a incapacidade de ser feliz com o que se tem.

  3. Ninguém faz ninguém feliz. Eles não podem esperar que um/uma amante os faça mais felizes do que o cônjuge. Se eles não se sentem felizes, está na hora de tentarem encontrar a razão para isso no lugar certo, isto é, dentro de si mesmos.

  4. A verdadeira felicidade é fruto de um viver digno.

    Advertisement
  5. Sem paz de consciência não há felicidade.

  6. Ninguém consegue ser feliz à custa do sofrimento alheio.

  7. O que eles pensam ser felicidade quando traem, nada mais é do que euforia, empolgação. Depois que passa o momento, tudo o que resta será culpa ou vazio.

  8. Os traidores cedo ou tarde acabam descobrindo que não vale a pena trocar o amor, segurança e felicidade familiar por horas de prazer. E tendem a descobrir isso da pior maneira possível.

  9. Eles até podem “se dar bem” por algum tempo. Mas todos se darão mal no final. E a infelicidade é a menor das consequências.

    Advertisement
  10. Eles podem mentir a si mesmos que são felizes, mas no fundo sabem que o que sentem agora nem se compara ao que sentiam ou sentem quando estão no seio da sua família.

  11. Eles buscam a felicidade nos braços de outra pessoa, mas têm mesmo é de conviver com a tristeza e a vergonha, principalmente quando são descobertos, pois além de lidar com a própria culpa, precisam encarar os filhos, a família, os amigos e a sociedade.

  12. A traição afeta negativamente a vida do traidor em todos os âmbitos: profissional, acadêmico, emocional, espiritual além de familiar. Assim sendo, não há como ser feliz vendo sua vida desmoronar gradualmente.

  13. Todos precisam estar em harmonia com os mandamentos de Deus para poderem experimentar a verdadeira felicidade. Quem violar Seus mandamentos, inevitavelmente sentirá o peso de seus erros. Não há dinheiro, popularidade, diversão, beleza ou qualquer outra “vantagem” que o mundo oferece capazes de anular o peso da culpa.

  14. Mas há uma fonte segura onde se pode obter a “cura” depois da traição. Chama-se arrependimento. Para recobrarem a felicidade é essencial que eles reconheçam seu erro, contem a verdade, desculpem-se com os envolvidos, desculpem-se com Deus e abandonem completamente o adultério.

    Advertisement
  15. Os maiores momentos de felicidade que já vivenciaram nem se comparam à felicidade que virá depois desta vida. E para serem dignos de experimentá-la, é essencial que sejam leais e fiéis aos seus cônjuges. Por outro lado, se continuarem a trair, terão que passar por uma angústia tamanha no porvir, que nenhum mortal suportaria sem sucumbir.

  16. A felicidade é uma decisão. Se eles decidirem que serão felizes ao lado de seus cônjuges e se esforçarem junto com eles para serem melhores maridos ou mulheres que puderem, é exatamente isso que irá acontecer. “Quase sempre a maior ou menor felicidade depende do grau de decisão de ser feliz.” Abraham Lincoln

A felicidade está nas coisas simples e sagradas da vida. É só dar a devida atenção a elas que os frutos virão. E a alegria que provém de um viver digno, de uma consciência tranquila, está entre as maiores recompensas.

Leia: 15 segredos para um casamento feliz

Leia: 10 sinais de que seu cônjuge está lhe traindo e nem se dá conta disso

Advertisement

Leia também: 8 formas de blindar um casamento contra a infidelidade

Toma un momento para compartir ...

Erika Strassburger

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.